segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Nova turma na comunidade Vocacional São Pedro Claver - Fortaleza


Nossos jovens chegaram, são 13 de vários estados do Brasil. Com alegria celebramos a Eucaristia de acolhida nesta noite 28 de fevereiro.

Turma completa dos vocacionados:Pedro, Anderson, Clebson, Artur, Aguiar, Carlos, Daniel, Deivson, Edmário, Geison, Bruno, Luzimar, Alexandre.


Com amigos e amigas que nos visitam e rezam conosco.


A casa vocacional sempre esteve aberta à juventude, sua existência se dá pelo desejo de ajudar aos jovens a descobrir a vontade de Deus para suas vidas.
Nosso trabalho quer ser apontar aos jovens que a felicidade está para além de ter, pois nosso caminho como cristãos é ser, ser de Deus, ser pessoa, ser santo.
Rezemos para que possamos caminhar bem este ano que se inicia na CV de Fortaleza.
Em breve faremos uma apresentação mais detalhada dos jovens vocacionados. AMDG

GAVI em Fortaleza




No dia 26 passado, convidamos alguns vocacionados para um almoço e um encontro singelo no desejo de reiniciar as atividades do GAVI em 2011. Ano iniciado, temos que continuar caminhando. Desse modo, Pe. Agnaldo trabalhou com os quatro rapazes a questão do discernimento vocacional.

Aos poucos vamos retomando nossas atividades e nosso trabalho com a juventude também vai se configurando. Este ano, por exemplo, temos atividades com juventude marcadas em vários lugares do nosso Ceará: Brejo Santo, Lavras da Mangabeira, Aquiraz, Itapajé, Russas, Baturité, como também em Fortaleza nas paróquias que somos convidados. O desejo é servir e ajudar a juventude a ir se configurando cada vez mais ao Cristo.

Hoje, iniciamos as atividades na Comunidade Vocacional São Pedro Claver, aos poucos o vocacionados estão chegando. Serão 13 rapazes. Em breve, colocaremos algo mais detalhado. Pe. Laércio.sj.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Reportagem: Ordenações de sacerdotes jesuítas

Para nós Jesuítas é muito bom ver o que fazem os outros Jesuítas pelo mundo afora. Já mostramos muitas coisas interessantes neste blog. Hoje partilho com vocês este bonito momento da ordenção presbiteral de alguns companheiros nossos em Portugal. Homens que tornaram-se padres, sacerdotes para servir na alegria ao ser humano criado por Deus para Louvar, Servir e Reverenciar. Com carinho e devocão vejamos esta linda celebração. Prestem atenção nas músicas, lindas.
Hoje, aqui em Fortaleza, está acontecendo o encontro vocacional GAVI alguns jovens com o Pe. Agnaldo estão reunidos partilhando vida. Rezemos pela Companhia e pelos nosso jovens. Pe. Laércio.sj

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Seis anos da morte de Irmã Dorothy Stang


Neste mês de Fevereiro lembramos o sexto ano do assassinato da Irmã Dorothy uma apaixonada pela vida.

vejamos um trecho de uma entrevista do IHU com algumas religiosas que conviveram com Irmã Doroty:

A sagrada herança de Ir. Dorothy precisa ser defendida e multiplicada”.

Entrevista especial com Zenilda Petry, Margarida Pantoja e Jane Dwyer

“Um martírio é sempre gerador de ressurreição”. É com essas palavras de entusiasmo e esperança que a presidente da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) – Regional de Belém, Pará, Ir. Zenilda Petry, lembra os seis anos do falecimento da missionária católica Dorothy Stang, assassinada em 12 de fevereiro de 2005, depois de sofrer diversas ameaças de morte de grileiros e
madeireiros da região. Dorothy foi morta com tiros a queima-roupa, aos 73 anos de idade, em Anapu.
Embora o martírio da Ir. Dorothy tenha evidenciado “ainda mais a força e a ganância cobiçosa de grupos e pessoas movidas por projetos opostos, por outro lado, esta morte despertou também a consciência, talvez um tanto adormecida de muitas pessoas. Isto resultou em resistência, solidariedade e certeza do caminho a prosseguir daquelas famílias e de uma rede maior de solidariedade. Igualmente, fortifica o povo de Anapu”, constata Zenilda, em entrevista à IHU On-Line concedida por e-mail.

IHU On-Line – Qual a importância de recordar a morte de Ir. Dorothy?

Zenilda Petry – Recordar é trazer novamente ao coração (re+cordar); é fazer memória viva e afetiva de algo ou de alguém que soube intuir o coração da existência, que soube colocar seu projeto nas estrelas, que penetrou no mistério mais profundo do ser e do fazer. Recordar a morte de Ir. Dorothy é fazer memória de sua trajetória e de sua ação em defesa da vida de tudo e de todos.
Margarida Pantoja – Dorothy Stang é símbolo de luta e resistência, celebrar sua memória é, portanto, gritar ao mundo que ainda existem pessoas que apostam em seus sonhos e acreditam na possibilidade de uma Amazônia
ambientalmente sustentável.

Qual o sentimento que fica em nossos corações?
Como poderemos dar continuidade a este trabalho?
Como poderemos nos espelhar em seu testemunho vocacional?

Catequese do Papa sobre o JESUÍTA São Roberto Belarmino.

Catequese do Papa: São Roberto Belarmino e a conversão
Intervenção na audiência geral do dia 23 de fevereiro
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Ap
resentamos, a seguir, a catequese dirigida pelo Papa aos grupos de peregrinos do mundo inteiro, reunidos na Sala Paulo VI para a audiência geral.

Queridos irmãos e irmãs:

São Roberto Belarmino, de quem eu gostaria de vos falar hoje, leva-nos à época da dolorosa divisão da cristandade ocidental, quando uma grave crise política e religiosa provocou o distanciamento de nações inteiras da Sé Apostólica.

Ele nasceu em 4 de outubro de 1542, em Montepulciano, perto de Sena, e era sobrinho, por parte de mãe, do Papa Marcelo II. Recebeu uma excelente formação humanística antes de entrar na Companhia de Jesus, em 20 de setembro de 1560. Os estudos de filosofia e teologia, que ele realizou no Colégio Romano, em Pádua e Lovaina, concentrando-se em São Tomás e nos Padres da Igreja, foram decisivos para sua orientação teológica. Ordenado sacerdote em 25 de março de 1570, foi, durante alguns anos, professor de teologia em Lovaina.

Depois disso, chamado a Roma como professor no Colégio Romano, foi-lhe confiada a cátedra de "Apologética"; na década em que desempenhou essa tarefa (1576-1586), desenvolveu um curso de lições, que acabou se tornando a coletânea Controvérsia, obra célebre pela clareza e riqueza de conteúdos, além do componente prevalentemente histórico. O Concílio de Trento tinha terminado pouco tempo antes e, para a Igreja Católica, era necessário reforçar e confirmar sua identidade também no que diz respeito à Reforma Protestante. A ação de Belarmino se insere neste contexto. De 1588 a 1594, ele foi, em primeiro lugar, o pai espiritual dos estudantes jesuítas do Colégio Romano, entre os quais conheceu e dirigiu São Luis Gonzaga; depois, foi superior religioso. O Papa Clemente VII o nomeou teólogo pontifício, consultor do Santo Ofício e reitor do Colégio de Confessores da Basílica de São Pedro. De 1597 a 1598, ele escreveu seu catecismo, Dottrina cristiana breve, que foi seu trabalho mais famoso.

Em 3 de março de 1599, foi criado cardeal pelo Papa Clemente VIII e, em 18 de março de 1602, foi nomeado arcebispo de Cápua. Recebeu a ordenação episcopal em 21 de abril desse ano. Nos três anos em que foi bispo diocesano, distinguiu-se pelo zelo com que pregava na catedral, pela visita realizada semanalmente às paróquias, pelos três sínodos diocesanos e por um conselho provincial ao qual deu vida. Tendo participado nos conclaves que elegeram os Papas Leão XI e Paulo V, foi convocado a Roma, onde ingressou na Congregação do Santo Ofício, do Índice, dos Ritos, dos Bispos e da Propagação da Fé. Ele também teve tarefas diplomáticas na República de Veneza e Inglaterra, defendendo os direitos da Sé Apostólica. Em seus últimos anos, escreveu vários livros sobre espiritualidade, nos quais condensou os frutos dos seus exercícios espirituais anuais. Da leitura destes livros, o povo cristão obtém, ainda hoje, grande benefício.
Morreu em Roma, em 17 de setembro de 1621. O Papa Pio XI o beatificou em 1923, canonizou-o em 1930 e o proclamou Doutor da Igreja em 1931.

São Roberto Belarmino teve um papel importante na Igreja, nas últimas décadas do século XVI e nos primeiros anos do século seguinte. Suas Controversiae constituíram um ponto de referência, ainda válido para a eclesiologia católica, sobre as questões acerca da Revelação, da natureza da Igreja, dos sacramentos e da antropologia teológica. Nelas, acentua-se o aspecto institucional da Igreja, devido aos erros que estavam circulando sobre tais questões. Belarmino inclusive esclareceu os aspectos invisíveis da Igreja, como o Corpo Místico, e o ilustrou com a analogia do corpo e da alma, com o fim de descrever a relação entre as riquezas interiores da Igreja e os aspectos externos que a tornam perceptível. Nesta obra monumental, que tenta sistematizar as várias controvérsias teológicas do seu tempo, ele evita todo tom polêmico e agressivo com relação às ideias da Reforma, usando os argumentos da razão e da Tradição da Igreja para ilustrar de maneira clara e eficaz a doutrina católica.

No entanto, seu legado consiste na maneira como ele concebeu seu trabalho. Os trabalhos tediosos de governo não o impediram, de fato, de caminhar rumo à santidade, na fidelidade às exigências do seu próprio estado de religioso, sacerdote e bispo. Dessa fidelidade surge seu compromisso com a pregação. Sendo - como sacerdote e bispo -, em primeiro lugar, um pastor de almas, ele sentiu o dever de pregar assiduamente. Há centenas de sermões - as homilias -, realizados em Flandres, Roma, Nápoles e Cápua, por ocasião das celebrações litúrgicas. Não menos abundantes são as expositiones e explanationes aos párocos, freiras, estudantes do Colégio Romano, que muitas vezes falam das Escrituras Sagradas, especialmente das epístolas de São Paulo. Sua pregação e suas catequeses têm esse mesmo caráter de simplicidade que ele recebeu da educação jesuíta, toda dirigida a concentrar as forças da alma em Jesus, profundamente conhecido, amado e imitado.

Nos escritos deste homem de governo se adverte, de forma clara, inclusive na reserva em que esconde seus sentimentos, a primazia dada aos ensinamentos de Cristo. São Belarmino, portanto, oferece um modelo de oração, a alma de toda atividade: uma oração que escuta a Palavra do Senhor, que é preenchida com a contemplação da grandeza, que não se fecha em si mesma, que se alegra em abandonar-se nas mãos de Deus. Uma característica da espiritualidade de Belarmino é a percepção viva e pessoal da imensa bondade de Deus, razão pela qual nosso santo se sentia verdadeiramente um filho amado por Deus e era uma fonte de grande alegria poder recolher-se, com serenidade e simplicidade, na oração, na contemplação de Deus. Em seu livro De ascensione mentis in Deum (Elevação da mente a Deus), composto sobre a estrutura do Itinerarium de São Boaventura, exclama: "Ó alma, teu exemplo é Deus, beleza infinita, luz sem sombras, esplendor que supera o da lua e o do sol. Levanta teus olhos para Deus, em quem se encontram os arquétipos de todas as coisas e de quem, como de uma fonte de infinita fecundidade, deriva esta variedade quase infinita das coisas. Portanto, deves concluir: quem encontra Deus, encontra todas as coisas, quem perde Deus, perde tudo".

Neste texto, ouvimos o eco da célebre contemplatio ad amorem obtineundum (contemplação para alcançar o amor), dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Em Belarmino, que viveu na pomposa e muitas vezes insalubre sociedade dos últimos anos do século XVI e início do século XVII, esta contemplação inclui aplicações práticas e projeta a situação da Igreja do seu tempo com a corajosa inspiração pastoral. No livro De arte bene moriendi (A arte de morrer bem), por exemplo, ele indica como norma segura do viver bem e também do morrer bem, meditar frequentemente sobre o fato de que a pessoa prestará contas a Deus de suas próprias ações e do seu modo de viver, e evitar a acumulação de riquezas nesta terra, vivendo com simplicidade e caridade, para acumular bens no céu. No livro De gemitu columbae (O gemido da pomba - no qual a pomba representa a Igreja), exorta fortemente o clero e os fiéis a uma reforma pessoal e concreta de suas vidas, seguindo o que ensinam as Escrituras e os santos, entre os quais cita, em particular, São Gregório Nazianzeno, São João Crisóstomo, São Jerônimo e Santo Agostinho, além dos grandes fundadores de ordens religiosas, como São Bento, São Domingos e São Francisco. Belarmino ensina com muita clareza e com o exemplo de sua própria vida que não pode haver uma verdadeira reforma da Igreja, se antes não acontece nossa reforma pessoal e a conversão do nosso coração.

Nos Exercícios Espirituais de Santo Inácio, Belarmino dava conselhos para comunicar de forma profunda, também aos mais simples, a beleza dos mistérios da fé. Escreveu: "Fomos criados para a glória de Deus e para a salvação eterna: este é o nosso fim. Se o alcançarmos, seremos felizes; se dele nos afastamos, seremos infelizes. Por isso, devemos considerar como verdadeiramente bom o que nos conduz ao nosso fim, e como verdadeiramente mau o que dele nos afasta" (De ascensione mentis in Deum, grad. 1).

Estas, obviamente, não são palavras antiquadas, mas palavras para meditar longamente hoje por nós, para orientar nosso caminho sobre esta terra. Elas nos lembram que o objetivo da vida é o Senhor, o Deus que se revelou em Jesus Cristo, em quem Ele continua nos chamando e prometendo-nos a comunhão com Ele. Elas nos recordam a importância de confiar no Senhor, de viver uma vida fiel ao Evangelho, de aceitar e iluminar, com a fé e a oração, toda circunstância e toda ação da nossa vida, sempre ansiando a união com Ele. Obrigado.

[No final da audiência, o Papa cumprimentou os peregrinos em vários idiomas. Em português, disse:]

Queridos irmãos e irmãs:

"Fomos criados para a glória de Deus e para a salvação eterna: este é o nosso fim. Se o alcançarmos, seremos felizes; se dele nos afastamos, seremos infelizes. Por isso, devemos considerar como verdadeiramente bom o que nos conduz ao nosso fim, e como verdadeiramente mau o que dele nos afasta": assim escreve São Roberto Belarmino, bispo e doutor da Igreja. O Concílio de Trento terminara há pouco, e a Igreja Católica precisava ver confirmada e consolidada a sua identidade face à Reforma protestante. A ação do nosso Santo insere-se neste contexto, tendo servido fiel e valorosamente a Igreja ao longo dos últimos decênios do século XVI e primeiros do século XVII. Na sua obra O Gemido da Pomba - "pomba" aqui é a Igreja -, chama vigorosamente o clero e os fiéis a uma reforma pessoal e concreta da própria vida. Com grande clareza e com o exemplo da vida, ensina que não pode haver verdadeira reforma da Igreja, se primeiro não houver a nossa reforma pessoal e a conversão do coração.

Amados peregrinos de língua portuguesa, a todos saúdo cordialmente, desejando que este nosso encontro dê frutos de renovação interior, que consolidem a concórdia nas famílias e comunidades cristãs, a bem da justiça e da paz no mundo. Como penhor de graça e paz divina, para vós e vossos queridos, de bom grado vos concedo a bênção apostólica.


[Tradução: Aline Banchieri.
© Libreria Editrice Vaticana]

(mais uma vez coloco toda a catequese no desejo de que tenhamos acesso ao texto em sua íntegra pela beleza do mesmo. Pe. Laércio.sj

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

25 ANOS DE COMPANHIA DE JESUS

Amigos e companheiros de e em Jesus,

No dia 19 de fevereiro, juntamente com mais 9 companheiros, celebramos a eucaristia pelos 25 anos de pertença a esta mínima Companhia e queria partilhar com vocês minha gratidão a Deus pelo dom da vocação e por tantas graças recebidas ao longo destes anos, dentro dos quais cada um de vocês tem uma especial participação na amizade, na convivência, na partilha da mesma missão e vocação.

A celebração aconteceu na Paróquia São Luiz Gonzaga, em São Paulo. Mas, em breve poderemos celebrar juntos essa data também "mineiramente" (em BH) e "amazonicamente" (na BAM). Espero assim ter a alegria de contar com a sua presença e mais ainda com a sua oração. Pe. Adelson, SJ

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

GAVI TERESINA



Aconteceu nesse final de semana o primeiro GAVI do núcleo Piauí-Maranhão. Foi trabalhado o tema:O maior serviço: carisma da Companhia de Jesus, através de um texto de Jon Sobrino SJ. Esse primeiro encontro foi também uma ocasião para apresentar o objetivo do GAVI aos jovens que estavam participando pela primeira vez, assim como um espaço para um maior conhecimento e entrosamento entre os seus membros.
O Diác. Erinaldo SJ, responsável pelo núcleo, contou com a presença e colaboração do Pe. Agnaldo Júnior SJ, que veio conhecer de perto os jovens desse núcleo e conversar sobre o trabalho com a juventude que a casa O Peregrino deverá continuar desenvolvendo com a juventude da Paróquia e Área Pastoral da SOCOPO, assim como a juventude em geral de Teresina.

Na ída a Teresina, o Pe. Agnaldo Júnior e o Pe. Júnior passaram em Tianguá-CE para visitar o amigo Pe. Manoel Freitas (companheiro de teologia em BH do Pe. Agnaldo) que está como reitor dos estudantes de filosofia da Diocese de Tianguá. Puderam também encontrar-se com o bispo Dom Javier e conhecer as instalações do Seminário São José e a Cúria.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Encontro de Universitários 2011.1

Façam as inscrições pelo email universitariosamdg@gmail.com
Continuemos firmes, o ano promete!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

LUCIDEZ - caminho seguro na busca de encontrar a VOCAÇÃO

“A articulação da inteligência, a clarividência, a capacidade de discernimento é um dom que faz falta em qualquer etapa da vida”, afirma o arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo.

No jovem, por exemplo, a lucidez “fecunda sua jovialidade com um tempero que não lhe permite perder o rumo”. (Fonte: Zenit)

Encontrar a saída, o rumo, o caminho... com esperança, coragem e clareza - LUCIDEZ.

Acampamento de Juventude em Baturité (na Caridade).

Olá pessoal!!!
Teremos nosso primeiro acampamento em Baturité, a turma está animadíssima.
Comunicamos o evento e dizemos que as inscrições já estão lotadas.
Rezemos para que nosso acampamento seja uma experiência forte de Deus e de vida comunitária. Abração a todos que visitam nosso blog. Pe. Laércio.sj

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Espiritualidade - Caminho de encontro com Deus.

A nossa vida é uma eterna possibilidade de abertura para com o Sagrado e para com o mistério. Sejamos fiéis à nossa vocação verdadeira, viemos de Deus e para ele voltaremos.

Veja o vídeo e deixe sua opinião.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Esta é a história do Magis - conheça!

Santo do dia: São Cláudio de La Colombiere - Santo JESUÍTA


São Cláudio de La Colombiere

Cláudio La Colombière nasceu próximo de Lyon, na França, no dia 2 de fevereiro de 1641. Seus pais faziam parte da nobreza reinante, com a família muito bem posicionada financeiramente e planejavam dedicá-lo ao serviço de Deus, mas ele era totalmente avesso a essa ideia.

Com o passar do tempo acaba por se render ao modo de vida e filosofia dos jesuítas de Lyon, onde segue com seus estudos. De lá passa a Avignon e depois a Paris e, três anos mais tarde, é ordenado sacerdote. Em 1675, emite os votos solenes da Companhia de Jesus e vai dirigir a pequena comunidade da Ordem, em Paray-le-Monial.

Director espiritual de Santa Margarida Maria
Padre Cláudio foi nomeado confessor do mosteiro da Visitação onde encontra uma irmã de vinte e oito anos, presa ao leito devido às fortes dores reumáticas. A doente era Margarida Maria Alacoque, uma figura de enorme poder espiritual, que influenciava a todos que se aproximavam. Margarida Alacoque revelava o incrível poder e a veneração ao Sagrado Coração de Jesus, símbolo da Humanidade e do amor infinito do Cristo.

Os devotos do Sagrado Coração são tomados como adoradores de ídolos e atacados, de vários lados, com duras palavras e ameaças. Nesta cidade, padre Cláudio é um precioso guia para tantos cristãos desorientados.


Exilado em Londres: Mas, em 1674 é enviado a Londres como capelão de Maria Beatriz D'Este, mulher de Carlos II, duque de York e futuro rei da Inglaterra. Naquela época, a Igreja Católica era perseguida e considerada fora da lei na Inglaterra. Entretanto, como padre Cláudio celebrava a Eucaristia numa pequena capela, acaba sendo procurado por muitos cristãos, irmãs clandestinas e padres exilados, todos desejosos de escutar seus conselhos.

Outro acontecimento muda completamente a sua vida:

Ele é enviado como missionário às colónias inglesas da América. Depois de dezoito meses de sua chegada, foi acusado de querer restaurar a Igreja de Roma no reino e vai preso. Porém, como é um protegido do rei da França, não permanece no cárcere e é expulso.

Volta para França
Mais uma vez padre Cláudio La Colombière retorna à França, em 1681. Entretanto, já se encontrava muito doente. Seu irmão ainda tentaria levá-lo a regiões onde o ar seria mais saudável. Mas ele não desejava partir, pois havia recebido um bilhete de Margarida Alacoque que dizia: "O Senhor me disse que sua vida findará aqui". Três dias depois ele morre em Paray-le-Monial e o seu corpo fica sepultado na Companhia de Jesus, sob a guarda dos padres jesuítas. Era o dia 15 de fevereiro de 1683.

O Papa Pio IX o beatifica em 1929, e é proclamado Santo Cláudio La Colombière em 31 de maio de 1992, pelo Papa João Paulo II, em Roma.


São Cláudio de La Colombiere: Rogai por nós!!!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Universitários em Russas-CE

A pedido do Pároco Pe. Fayos iniciamos um trabalho com os jovens universitários. No primeiro encontro partilhamos um pouco de nossas experiência aqui em Fortaleza, foi comigo o monitor de crisma e universitário Nairton da paróquia N. S. do Perpétuo Socorro. A turma ficou animada e desejosa de dar continuidade aos encontros depois de nossa partilha. O primeiro encontro foi apenas uma reunião, em março teremos o primeiro encontro de fato. Pe. Laércio.sj
A Igreja tem “possibilidades de surpreender as pessoas na sua fase universitária” – disse à ECCLESIA o Pe. Carlos Carneiro, da Companhia de Jesus, durante o Encontro Nacional do Serviço da Pastoral do Ensino Superior, realizado em Fátima... “vale a pena encontrar lugares onde essa surpresa se realiza”.
"A proposta do evangelho é “intemporal" e quem a tem e vive não a pode esconder. Muitos dos que não a conhecem ficarão espantados e surpreendidos com a sua beleza e com a sua humanidade”.

Vale a pena continuar indo ao encontro dos jovens que vivem a experiência de ser Cristão na Universidade.
Agradecemos o apoio dos padres Marcos e Fayos, como também a presença da Ir. Nara das CordMarianas. AMDG. Pe. Laércio.sj

JESUÍTA... EU???

A resposta requer um processo de oração, reflexão e acompanhamento espiritual, para decidir se o caminho da vida jesuítica é realmente a sua vocação.
A vocação é um dom de Deus que você acolhe na realidade em que vive. É um convite para seguir Jesus Cristo mais de perto, no desejo de contribuir para a construção de um mundo melhor para todos.
Como os discípulos buscaram a proximidade com Jesus, você também deveria fazer a mesma pergunta: "Onde moras, Senhor?" Ele olha para você e responde: "Vinde ver!" (Jo 1,39).
Se você pensa e sente que o Senhor o chama a seguí-Lo como Jesuíta, oferecemos a oportunidade para que, com toda a liberdade, você possa discernir sua vocação. Venha conhecer a Companhia de Jesus e deixar-se conhecer por ela também.
Para isso, você precisa dispor-se a:

- Agir sem pressões de ninguém, mas sim porque sente o convite que Deus lhe faz;
- Seguir Jesus Cristo. Não para promover-se, nem para fugir do mundo e dos seus problemas, nem para assegurar um futuro;
- Descobrir a Espiritualidade Inaciana e o Modo de Proceder da Companhia de Jesus, caminhos pelos quais você poderá alcançar a plenitude desse seguimento;
- Procurar ser um homem de fé profunda, apto para assumir compromissos sérios com a realidade em que vive;
- Buscar ser um homem maduro, capaz de ser amigo, de tolerar frustrações, de trabalhar e viver para os outros;
- Ser alguém que visa o serviço para a maior glória de Deus.

Para atingir esse ideal, veja a dica que nosso querido Pe. Arrupe, ex-superior geral dos jesuítas, dá para você:

"NÃO HÁ NADA MAIS PRÁTICO QUE ENCONTRAR A DEUS.

NA VERDADE, ENCONTRÁ-LO É ENAMORAR-SE COMPLETAMENTE E NÃO OLHAR PARA TRÁS.

AQUELE DE QUEM TE ENAMORAS, ARREBATARÁ TUA IMAGINAÇÃO E ENVOLVERÁ TODO O TEU SER.

DETERMINARÁ O QUE FAZES AO LEVANTAR PELA MANHÃ, O QUE FARÁS COM OS TEUS ENTARDECERES, COMO PASSARÁS TEUS FINAIS DE SEMANA, O QUE LÊS, QUEM CONHECES, O QUE TE ENCHE DE SÚBITO COM ALEGRIA E AGRADECIMENTO.

ENAMORA-TE, PERMANECE ENAMORADO, E ISTO DECIDIRÁ TUDO EM TI".

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

NOSSA SENHORA DE LOURDES

As aparições de Nossa Senhora de Lourdes começaram no dia 11 de fevereiro de 1858, quando Bernadette Soubirous, camponesa com 14 anos, foi questionada por sua mãe, pois afirmava ter visto uma "dama" na gruta de Massabielle, cerca de uma milha da cidade, enquanto ela estava recolhendo lenha com a irmã e um amigo. A "dama" também apareceu em outras ocasiões para Bernadette até os dezessete anos.
Bernadette Soubirous foi canonizada como santa, e muitos católicos acreditam que suas visões seriam da Virgem Maria. A primeira aparição da "Senhora", relatada por Bernadette foi em 11 de fevereiro. O Papa Pio IX autorizou o bispo local para permitir a veneração da Virgem Maria em Lourdes, em 1862.

Em 11 de Fevereiro de 1858, Bernadette Soubirous foi com a irmã Toinette e Jeanne Abadie para recolher um pouco de lenha, a fim de vendê-la e poder comprar pão. Quando ela tirou os sapatos e as meias para atravessar a água, junto à gruta de Massabielle, ela ouviu o som de duas rajadas de vento, mas as árvores e arbustos não se mexaram. Bernadette viu uma luz na gruta e uma menina, tão pequena como ela, vestida de branco, com uma faixa-azul presa em sua cintura com um rosário em suas mãos em oração e rosas de ouro amarelo, uma em cada pé. Bernadette tentou manter isso em segredo, mas Toinette disse a mãe. Por essa razão ela e sua irmã receberam castigo corporal pela sua história. Três dias depois, Bernadete voltou à gruta com as outras duas meninas. Ela trouxe água benta para utilizar na aparição, a fim testá-la e saber se não "era maligna", porém a visão apenas inclinou a cabeça com gratidão, quando a água foi dada a ela.

Em 18 de fevereiro, ela foi informada pela senhora para retornar à gruta, durante um período de duas semanas. A senhora teria dito: "Eu prometo fazer você feliz não neste mundo, mas no próximo". Após a notícia se espalhar, as autoridades policiais e municipais começaram a ter interesse. Bernadette foi proibida pelos pais e o comissário de polícia Jacomet para ir lá novamente, mas ela foi assim mesmo. No dia 24 de Fevereiro, a aparição pediu oração e penitência pela conversão dos pecadores. No dia seguinte, a aparição convidou Bernadette a cavar o chão e beber a água da nascente que encontrou lá. Como a notícia se espalhou, essa água, foi administrada em pacientes de todos os tipos, e muitas curas milagrosas foram noticiadas. Sete dessas curas foram confirmados como desprovidas de qualquer explicação médica pelo professor Verges, em 1860. A primeira pessoa com um milagre certificado era uma mulher, cuja mão direita tinha sido deformada em conseqüência de um acidente. O governo vedou a Gruta e emitiu sanções mais duras para alguém que tentasse chegar perto da área fora dos limites. No processo, as aparições de Lourdes tornaram-se uma questão nacional na França, resultando na intervenção do imperador Napoleão III, com uma ordem para reabrir a gruta em 4 de Outubro de 1858. A Igreja decidiu ficar completamente longe da polêmica.

Bernadette, conhecendo as localidades bem, conseguiu visitar a gruta à noite, mesmo quando vedada pelo governo. Lá, em 25 de março, a aparição lhe disse: "Eu sou a Imaculada Conceição" ("que soy era Immaculada concepciou"). No domingo de Páscoa, 7 de abril, o médico examinou Bernadette e observou que suas mãos seguravam uma vela acesa e mesmo assim não possuiam qualquer queimaduras.[6] Em 16 de Julho, Bernadette foi pela última vez à Gruta e relatou que "Eu nunca a tinha visto tão bonita antes". A Igreja, diante de perguntas de nível nacional, decidiu instituir uma comissão de inquérito, em 17 de Novembro de 1858. Em 18 de Janeiro de 1860, o bispo local declarou que: "A Virgem Maria apareceram de fato a Bernadette Soubirous". Estes eventos estabeleceram o culto mariano de Lourdes, que, juntamente com Fátima, é um dos santuários marianos mais freqüentados no mundo, ao qual viajam anualmente entre 4 e 6 milhões de peregrinos.

A veracidade das aparições de Lourdes não são um artigo de fé para os católicos. Não obstante todos os últimos Papas visitaram este local. Bento XV, Pio XI e João XXIII foram quando ainda eram bispos, Pio XII, como delegado papal. Ele também declarou uma peregrinação a Lourdes em uma encíclica na comemoração sobre o 100º aniversário das aparições, completados em 1958. João Paulo II visitou Lourdes três vezes e o Papa Bento XVI concluiu uma visita lá em 15 de setembro de 2008 para comemorar o 150º aniversário das aparições em 1858.

(Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_de_Lourdes)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Com a palavra Nosso Padre Geral


"Vivemos em uma época de constante mudanças... Neste tempo a missão do cristão segue vigente. O mundo segue necessitando de pessoas que sirva. Segue havendo sofrimento, solidão, falta de esperança e de alegria. Por isso é importante perguntar-se: como me disponho à missão? que posso fazer para ajudar a esta humanidade a ser mais humana?
O padre Adolfo Nicolás chamou aos jovens a sair de si mesmos para encontrar a própria vocação".
O Padre Geral chamou a atenção para quatro passos no processo de resposta ao chamado de Deus:
1) encontrar-se com uma necessidade importante
2)ter um coração com capacidade de sentir, sobretudo de desenvolver a compaixão, o sentir com o outro;
3) ter a mobilização (coragem) para a ação;
4) dar uma resposta concreta.

(Fala do Pe. Geral Adolfo N. Geral do Jesuítas, quando esteve no Chile e falou aos jovens. Fonte:http://www.jesuitas.cl/files/documentos/2_revista_jesuitas_chile/revista_jesuitas_12.pdf)

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Catequese do Papa sobre o JESUÍTA São Pedro Canísio - Santo e Doutor da Igreja.




Catequese do Papa: sábia mansidão de São Pedro Canísio
Intervenção na audiência geral de hoje
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Apresentamos, a seguir, a catequese dirigida pelo Papa aos grupos de peregrinos do mundo inteiro, reunidos na Sala Paulo VI para a audiência geral.

Queridos irmãos e irmãs:


Hoje eu gostaria de falar de Pedro Kanis - Canísio, sob a forma latina de seu nome -, uma figura importante na Igreja Católica do século XVI. Ele nasceu em 8 de maio de 1521, em Nijmegen, Holanda. Seu pai era o prefeito da cidade. Enquanto estudava na Universidade de Colônia, visitou os monges cartuxos de Santa Bárbara, um centro propulsor da vida católica, e outros homens piedosos que cultivavam a espiritualidade chamada devotio moderna. Entrou na Companhia de Jesus a 8 de maio de 1543, em Mainz (Renânia-Palatinado), depois ter frequentado um curso de exercícios espirituais sob a supervisão do Beato Pedro Fabro,Petrus Faber, um dos primeiros companheiros de Santo Inácio de Loyola. Ordenou-se sacerdote em junho 1546, em Colônia, e, no ano seguinte, esteve presente no Concílio de Trento, como teólogo do Bispo da Áustria, o cardeal Otto Truchsess von Waldburg, onde trabalhou com dois irmãos, Diego Lainez e Alfonso Salmeron.


Em 1548, Inácio o fez completar sua formação espiritual em Roma e o mandou ao Colégio de Messina, para exercitar-se em humildes serviços domésticos. Em Bologna, obteve o doutorado em teologia, em 4 de outubro de 1549, e foi então enviado por Santo Inácio à Alemanha, para o apostolado. Em 2 de setembro daquele ano, 1549, visitou o Papa Paulo III em Castel Gandolfo e, depois disso, foi para a Basílica de São Pedro para rezar. Lá, implorou a ajuda dos grandes apóstolos Pedro e Paulo, para que dessem uma eficácia permanente à bênção apostólica para o seu grande destino, para a sua nova missão. Em seu diário, ele escreveu algumas palavras da oração que fez: "Lá, senti que um grande consolo e a presença da graça me foram concedidos por meio desses intercessores (Pedro e Paulo). Eles confirmaram a minha missão na Alemanha e pareciam transmitir-me, como apóstolo da Alemanha, o apoio da sua benevolência. Senhor, tu conheces de que maneira e quantas vezes nesse mesmo dia me confiaste a Alemanha, da qual logo cuidarei e pela qual desejo viver e morrer".


Devemos lembrar que estamos na época da Reforma luterana, no momento em que a fé católica nos países de fala germânica, diante do fascínio da Reforma, parecia estar se apagando. Era um dever quase impossível o de Canísio, responsável pela revitalização e pela renovação da fé católica nos países germânicos. Isso só seria possível com a força da oração. Seria possível apenas a partir da base, ou seja, a partir de uma profunda amizade com Jesus Cristo; amizade com Cristo no seu Corpo, a Igreja, que é alimentada na Eucaristia, sua presença real.

Seguindo a missão que recebeu de Inácio e do Papa Paulo III, Canísio partiu para a Alemanha e foi, em primeiro lugar, ao Ducado da Baviera, que durante muitos anos foi a sede do seu ministério. Como decano, reitor e vice-chanceler da Universidade de Ingolstadt, cuidou da vida acadêmica do Instituto e da reforma religiosa e moral do povo. Em Viena, onde por um breve tempo foi administrador da diocese, ele desenvolveu o ministério pastoral em hospitais e prisões, tanto na cidade como no campo, e preparou a publicação doCatecismo. Em 1556, fundou o Colégio de Praga e, até 1569, foi o primeiro superior da Província Jesuíta da Alta Alemanha.


Entre estas tarefas, estabeleceu nos países germânicos uma densa rede de comunidades da sua Ordem, especialmente colégios, que foram pontos de partida para a reforma católica, para a renovação da fé católica. Nesse tempo, também participou do Colóquio de Worms, com os líderes protestantes, entre os quais estava Filippo Melantone (1557); atuou como núncio pontifício na Polônia (1558); participou das duas Dietas de Augusta (1559 e 1565); acompanhou o cardeal Stanislao Hozjusz, enviado do Papa ao Imperador Ferdinando (1560); interveio na sessão final do Concílio de Trento, onde falou sobre a questão da Comunhão sob as duas espécies e sobre o Índice de Livros Proibidos (1562).

Em 1580, retirou-se para Friburgo, na Suíça, dedicado inteiramente à pregação e à composição de suas obras. Morreu lá, em 21 de dezembro de 1597. Beatificado pelo Beato Pio IX, em 1864, foi proclamado, em 1897, segundo Apóstolo da Alemanha pelo Papa Leão XIII; foi canonizado pelo Papa Pio XI e proclamado Doutor da Igreja em 1925.

São Pedro Canísio passou grande parte de sua vida em contato com as pessoas socialmente mais importantes da sua época e exerceu uma influência especial com seus escritos. Foi editor das obras completas de São Cirilo de Alexandria e de São Leão Magno, das Cartas de São Jerônimo e das Orações de São Nicolau de Flüe. Publicou livros de devoção em vários idiomas, biografias de alguns santos suíços e muitos textos de homilética. Mas seus escritos mais populares foram os três Catecismos elaborados entre 1555 e 1558. O primeiro foi desenvolvido para estudantes com um nível de compreensão das noções elementares de teologia; o segundo, para as crianças do povoado, para o início de uma instrução religiosa; o terceiro, para jovens com uma formação escolar média ou superior. A doutrina católica foi exposta em forma de perguntas e respostas, brevemente, em termos bíblicos, de forma muito clara e sem menções críticas.

Somente durante a sua vida, foram feitas 200 edições desse Catecismo! E depois surgiram centenas de edições, até o século XX. Assim, na Alemanha, ainda na geração do meu pai, as pessoas chamavam o Catecismo simplesmente de "Canísio": ele foi realmente ocatequista dos séculos; formou a fé das pessoas durante séculos.

Esta é uma característica de São Pedro Canísio: saber apresentar harmonicamente a fidelidade aos princípios dogmáticos com o respeito devido a cada pessoa. São Canísio distinguiu a apostasia consciente e culpada da fé, da perda da fé inocente devido às circunstâncias. E declarou, diante de Roma, que a maioria dos alemães passou ao protestantismo sem ter culpa. Em um momento histórico de fortes contrastes confessionais, evitou as asperezas e a retórica da ira - uma raridade naquela época de discussões entre os cristãos -, centrando-se na apresentação das raízes espirituais e na revitalização da fé na Igreja. Para isso, foi-lhe muito útil o vasto e penetrante conhecimento que tinha das Sagradas Escrituras e dos Padres da Igreja: o mesmo conhecimento que refletia sua relação pessoal com Deus e a austera espiritualidade que derivada da devotio moderna e da mística renana.

A característica da espiritualidade de São Canísio é uma amizade profunda com Jesus. Por exemplo, escreveu em seu diário, no dia 4 de setembro de 1549, conversando com o Senhor: "Tu, no final, como se pudesses abrir o coração do Santíssimo Corpo, que eu parecia ver na minha frente, mandaste-me beber dessa fonte, convidando-me, por assim dizer, a tirar as águas da minha salvação das tuas fontes, ó meu Salvador". Percebe-se que o Salvador lhe dá uma veste com três partes, que se chamam paz, amor e perseverança. E com essa vestimenta feita de paz, amor e perseverança, Canísio realizou o seu trabalho de renovação do catolicismo. Esta amizade com Jesus - que é o centro de sua personalidade -, nutrida pelo amor à Bíblia, pelo amor ao Sacramento, pelo amor aos Padres, estava claramente unida à consciência de ser, na Igreja, um continuador da missão dos Apóstolos. E isso nos lembra que todo evangelizador é sempre um instrumento unido - e, por isso mesmo, fecundo - a Jesus e à sua Igreja.

São Pedro Canísio tinha se formado nessa amizade com Jesus dentro da atmosfera espiritual da Cartuxa de Colônia, onde ele tinha mantido contato próximo com os dois místicos cartuxos, Johann Lansperger, latinizado como Lanspergius, e Nicolas van Hesch, latinizado como Eschius. Mais tarde, aprofundou na experiência dessa amizade, familiaritas stupenda nimis, com a contemplação dos mistérios da vida de Jesus, que ocupam uma grande parte dos Esercizi spirituali de Santo Inácio. Sua intensa devoção ao Coração do Senhor, que culminou na consagração ao ministério apostólico na Basílica Vaticana, encontra aqui seu fundamento.

Na espiritualidade cristocêntrica de São Pedro Canísio existe uma convicção profunda: não existe alma cuidadosa da própria perfeição que não pratique todos os dias a oração mental, caminho ordinário que permite que o discípulo de Jesus viva a intimidade com o divino Mestre. Por isso, nos escritos destinados à educação espiritual do povo, nosso santo salienta a importância da liturgia com os comentários sobre os Evangelhos, as festas, o rito da Santa Missa e demais sacramentos, mas, ao mesmo tempo, preocupa-se por mostrar aos fiéis a necessidade e a beleza de que a oração pessoal diária acompanhe e inspire a participação no culto público da Igreja.

Trata-se de uma exortação e de um método que conservam intacto o seu valor, especialmente depois de terem sido propostos novamente pelo Concílio Vaticano II, na constituição Sacrosanctum Concilium: a vida cristã não crescerá se não for alimentada pela participação na liturgia, em particular na Santa Missa dominical, e pela oração pessoal diária, pelo contato pessoal com Deus. Entre as muitas atividades e os múltiplos estímulos que nos cercam, é preciso encontrar, cada dia, momentos de recolhimento diante do Senhor, para ouvi-lo e falar com Ele.

Ao mesmo tempo, é sempre atual e de valor permanente o exemplo que São Pedro Canísio nos deixou, não só em suas obras, mas acima de tudo com sua vida. Ele nos ensina claramente que o ministério apostólico é incisivo e produz frutos de salvação no coração somente se o pregador for uma testemunha pessoal de Jesus e souber ser um instrumento à sua disposição, intimamente unido a Ele pela fé no seu Evangelho e na sua Igreja, por uma vida moralmente coerente e por uma oração incessante como o amor. E isso se aplica a todo cristão que quer viver com esforço e fidelidade sua adesão a Cristo. Obrigado.

[No final da audiência, o Papa cumprimentou os peregrinos em vários idiomas. Em português, disse:]

Queridos irmãos e irmãs:

São Pedro Canísio, sacerdote jesuíta e doutor da Igreja, nasceu em Nimega, na Holanda, no ano 1521. Interveio em acontecimentos decisivos do seu tempo, como o Concílio de Trento, e exerceu uma influência especial com os seus escritos. A sua obra mais difundida é oCatecismo, onde aparece a doutrina exposta sob a forma de breves perguntas e respostas, elaboradas em termos bíblicos e sem tons polêmicos. E dele preparou três versões: uma para pessoas com elementares noções de teologia; outra para crianças sem escolaridade; e a terceira para estudantes liceais ou universitários. Nisto se revela uma das características de Pedro Canísio: sabia harmonizar a fidelidade aos princípios dogmáticos com o respeito devido a cada pessoa.

Amados peregrinos de língua portuguesa, para todos a minha saudação amiga e encorajadora! Antes de vós, veio peregrino a Roma Pedro Canísio para invocar a intercessão dos Apóstolos São Pedro e São Paulo sobre a missão que lhe fora confiada na Alemanha, o seu campo de apostolado mais longo. No seu diário, descreve como aqui sentiu a graça divina que fazia dele um continuador da missão dos Apóstolos. Como ele, todos nós, cristãos, somos enviados a evangelizar, mas para isso precisamos permanecer unidos a Jesus e à Igreja. Sobre vós e vossas famílias, desça a minha bênção.

[Tradução: Aline Banchieri.


(Obs.: Fiz questão de colocar o texto todo pela beleza do mesmo.)

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Encontro de Jesuítas - Mês Arrupe no Brasil.



Estiveram em retiro e formação mais de 3o Jesuítas, 23 eram estudantes de teologia de vários lugares da América Latina e Europa (Peru, Argentina, Uruguai, Argentina, Brasil, Guatemala, República Dominicana, Bolívia, Itália) os outros eram formadores. Foram 29 dias intensos de preparação para um momento especial na vida do jesuíta chamado ao sacerdócio.
Trabalharam afetividade, documentos da Igreja sobre o sacerdócio, espiritualidade presbiteral...
O retiro de 12 dias aconteceu na chácara do Colégio Medianeira de Florianópilos.
Em Morro das Pedras, na casa de retiros N. S. de Fátima, aconteceu a parte seguinte do encontro.
Rezemos pela vocação desses nossos irmãos que desjam servir a Cristo e a Igreja através do Sacerdócio.
Depois todos voltaram para os centros de teologia para continua a vida de estudos.

MAGIS 2011 E JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

A Companhia de Jesus e outras instituições religiosas, em colaboração com leigos de espiritualidade inaciana de todo o mundo, convidam-nos a encontrar Cristo no meio da nossa realidade.

Esta iniciativa teve o seu início em 1997 (Jornadas Mundiais da Juventude de Paris). Em 2005, em Colónia, chamou-se MAGIS pela primeira vez. Em 2008 celebrou-se em Sidney, e no ano de 2011 será celebrada em Madrid, nos dias prévios às Jornadas Mundiais da Juventude. O tema deste MAGIS será "com Cristo no coração do mundo."

Em 2013 teremos aqui no Brasil, Rio de Janeiro, a próxima experiência MAGIS e a Jornada Mundial da Juventude. Para ter mais acesso sobre essa experiência, acesse o link: www.magis2011.org


video

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Novos pré-noviços na Comunidade Vocacional do Paraguay

NUEVOS PRE-NOVICIOS
En la casa del pre-noviciado, en San Ignacio Misiones, ingresaron seis nuevos prenovicios. Ellos son: Isaac Acuña (de San Lorenzo), Mauricio Torales (de San Pedro), Paulo Rojas (de Caacupé), Diego Carmona (de Luque), Derlis González (de Villa Elisa), Pedro Vega (de Fernando de la Mora) Fuerza compañeros!!!

Celebremos: mais seis jovens vocacionados desejam fazer a experiência de responder ao chamado de Deus para suas vidas na Companhia de Jesus.

Rezemos pelos nossos irmãos vizinhos nossos. AMDG

sábado, 5 de fevereiro de 2011

20 anos de saudades do Pe. Arrupe.SJ - JESUÍTA

Pedro Arrupe nasceu em Bilbao [País Basco, Espanha], em 14 de Novembro de 1907. Quando estava no quarto ano da Faculdade de Medicina, fez uma visita ao Santuário de Nossa Senhora de Lourdes [França], onde testemunhou a cura milagrosa de uma paralítica. Este fato transformou a sua vida. A contra-gosto de muitos professores e colegas, largou a universidade e entrou no noviciado da Companhia de Jesus, na cidade de Loyola. Pedro sempre teve em sí um grande desejo de ir como missionário para o Japão. Mas, este desejo só torna-se-ia realidade após os dez anos da sua formação jesuítica, passados a maior parte nos EUA, onde enquanto estudava também dedicava-se a visitar um presídio, ganhando grande amizade e afeto dos reclusos.

Chegando ao Japão, em pouco tempo conseguiu tornar-se uma pessoa muita próxima dos japoneses. Algumas autoridades, porém, desconfiaram que ele fosse um espião norte-americano e por isso prenderam-no, até comprovarem as suas verdadeiras intenções evangelizadoras. Mais tarde, saindo de Yamagushi [terra onde estivera antes São Francisco Xavier], Arrupe foi trabalhar no noviciado do Japão, em Hiroshima, como mestre de noviços. Era a época da II Guerra Mundial e este sacerdote acabaria testemunhando um dos episódios mais tristes da história contemporânea: a destruição completa de uma cidade através da bomba atômica.

Pedro Arrupe, que morava a alguns kilometros da tragédia, logo transformou o semi-destruído noviciado dos jesuítas em um verdadeiro hospital,para acolher os sobreviventes do ataque. Ele e seus noviços foram à cidade tirar os vivos, queimar os mortos para não haver infecções, e muito mais. Após esste tempo, Arrupe deixou o noviciado ao ser eleito Provincial dos jesuítas no Japão. E, anos depois, Superior Geral da Companhia de Jesus no mundo inteiro.Como Geral dos jesuítas, o Pe. Pedro Arrupe foi um verdadeiro profeta dos nosso tempo, tempo esse de enorme agitação e mudança, que marcaram os famosos anos sessenta. A Igreja acabava de viver o Concílio Ecumênico Vaticano II e agora havia que adaptá-lo e adotá-lo em todos os sentidos à vida e missão eclesial, não sem resistências e crises. Foi um tempo de grandes mudanças para a Igreja e para a Companhia. Pe. Arrupe assumiu totalmente as inspirações do Concílio, aproximando a sua ordem ao mundo dos leigos, dos pobres, da juventude, da sociedade contemporânea. Apesar do cargo de superior Geral da Companhia ser vitalício, Arrupe sentiu que a sua missão estava cumprida e pediu para retirar-se. Mas o papa João Paulo II não aceitou a sua renúncia. Mas, apesar de todas as dificuldades que isso gerou, a Companhia souber viver em obediência verdadeira por amor a Cristo e a sua Igreja.

Em 1980 o Pe. Arrupe sofreu uma trombose, que o levou a passar seus últimos anos de vida em uma cama, até partir para o Pai em 1990. No seu discurso de despedida aos jesuítas disse:
“EU ME SINTO MAIS DO QUE NUNCA NAS MÃOS DE DEUS. ISSO FOI O QUE SEMPRE DESEJEI, DESDE JOVEM. E ISSO É A ÚNICA COISA QUE CONTINUO DESEJANDO AGORA. MAS, COM UMA DIFERÊNÇA: HOJE TODA A INICIATIVA VEM DO SENHOR. ASSEGURO-LHES QUE SABER-ME E SENTIR-ME TOTALMENTE EM SUAS MÃOS É UMA PROFUNDA EXPERIÊNCIA”.

Que cresça em nós a devoção a este santo homem e santo Jesuíta.

Que sua vida, sua espiritualidade e profetismo não esmoreça entre nós. Continuemos sendo fiéis áquilo que movia Arrupe, sentir-se mais e mais nas mão de Deus e fazer apenas a sua vontade. (Fonte: Jesuítas da Amazônia)

E fica a provocação: por qual motivo me custa tanto ser profeta hoje?

MISSA DE ENTRADA DOS NOVIÇOS DE 1º ANO

No dia 04/02 os noviços Degles, Dhekson, Gabriel e Jucélio tiveram a missa de entrada no Noviciado da Companhia de Jesus. A eucaristia foi presidida pelo Provincial Pe. José Acrízio, concelebrada pelos Pe. Kleber (Mestre de Noviços), Pe. Geraldo Coelho e Pe. Adilson. Estavam presentes também Ir. Epifânio (Ministro do Noviciado) e Dona Ana funcionária do Noviciado.
Rezemos por esses companheiros que agora seguem para a "Primeira provação", tempo de entrosamento do grupo, apresentação do Noviciado e conhecimento de parte das Constituições da Companhia de Jesus.


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Filosofado Interprovincial dos Jesuítas do Brasil 2011


A caminhada já recomeçou em Belo Horizonte.
Temos aqui os jesuítas que estarão cursando a FILOSOFIA neste ano de 2011, são provenientes das três províncias do Brasil e da Região Amazônia Brasileira.

Desejamos força, coragem, paciência e muita "curiosidade" no desejo de que possam ir atrás do verdadeiro conhecimento. A filosofia é uma etapa de formação do Jesuíta que dura em média três anos e acontece em Belo Horizonte-MG. Entre eles, estão alguns jesuítas que fazem parte da equipe de formação do filosofado: Pe. Werner, Pe. João Renato, Pe. Adelson e Ir. Eudson. AMDG

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Últimos votos na Companhia de Jesus


O Irmão Edilberto Feitosa na noite do dia 02 de fevereiro, professou seus últimos votos na Companhia de Jesus. Desse modo, aconteceu a incorporação definitiva dele no corpo universal da Companhia de Jesus. Deixa de ser um irmão em formação e passa a ser um irmão formado.

A Celebração Eucarística aconteceu na capela do Colégio Santo Inácio onde ele trabalha e foi presidida pelo Pe. Provincial Acrizio Vale Sales.

Que o Deus que o chamou a viver na Companhia lhe dê a graça de continuar toda a sua vida nela.

Comunidade Vocacional em Campinas-SP iniciou o seu novo ano de trabalho.

Notícias das outras províncias: No dia 02 de fevereiro iniciou-se a 32ª turma da C.V. Ao longo do dia foram chegando os jovens, uns de longe, outros de perto, uns enfrentando uma longa viagem de ônibus, outros desfrutando da rapidez dos aviões, alguns meio assustados com a casa nova, outros já familiarizados com a mesma. E todos trazendo uma grande alegria e um grande desejo de conhecer a Companhia de Jesus nela.

Foram oito os jovens que chegaram, sendo que um deles vem para uma convivência de uma semana.

Nem todos se conheciam e em apenas algumas horas de convivência já houve uma grande sintonia no grupo, manifestada nos primeiros trabalhos realizados: preparação da liturgia, arrumação da casa, etc.

As 19h30, com a presença de jesuítas de Itaici e amigos leigos houve uma celebração eucarística onde os novos vocacionados foram recebidos na casa. Houve uma breve apresentação de cada um deles e a entrega da chave da casa e de uma medalha de Santo Inácio. A presença de umas trinta pessoas na missa fez um dos novos vocacionados exclamar: “Eu esperava mesmo entrar em uma nova família, mas agora percebo que a família é maior do que eu imaginava”.

Após a eucaristia houve uma confraternização muito animada e regada a salgadinhos e refrigerante.

Os novos membros da CV são:

  1. ANDRÉ / de Ponta Grossa / PR
  2. CARLOS MIGUEL / de Santo Ângelo / RS
  3. JOÃO ELTON / de Guarulhos / SP
  4. LEANDRO / de São Paulo/SP
  5. LUCAS / de Cachoeirinha /RS
  6. MALCON / de Curitiba / PR
  7. PEDRO / de Juiz de Fora / MG