sexta-feira, 30 de setembro de 2011


Recebi este texto de um amigo, achei super interessante, vejam o quanto precisamos aprender e ao mesmo tempo a refletir seriamente a questão da juventude.


"Quase três em cada cinco jovens cristãos deixam de ir a suas igrejas, após 15 anos de idade, mas por quê?. Um novo estudo divulgado pelo Grupo Barna aponta seis razões diferentes a respeito do porque os jovens não estão permanecendo em seus denominações.

Os resultados deste estudo vêm de entrevistas com adolescentes, jovens adultos, jovens pastores, pastores sênior e pais que foram ao longo de cinco anos questionados até chegar neste resultado.

Primeiro, diz o estudo, as igrejas parecem ser superprotetora. Quase um quarto dos entrevistados de 18 a 29 anos de idade disse que “os cristãos demonizam tudo fora da igreja” a maior parte do tempo. Vinte e dois por cento também disse que a Igreja ignora problemas do mundo real e 18 por cento disseram que sua igreja estava muito preocupado com o impacto negativo de filmes, música e jogos de vídeo.

Experiência do cristianismo é superficial: Muitos jovens adultos também sentem que sua experiência do cristianismo não era profunda. Um terço dos participantes da pesquisa sentiu que “a igreja é chata.” Vinte por cento das pessoas que participaram como um adolescente disse que as experiências de Deus parece estar faltando na igreja.


A Igreja e se opõe a ciência: O estudo também descobriu muitos jovens não gostam da forma como as igrejas se posiciona com relação a ciência e parece ser sempre contra. Mais de um terço dos adultos jovens, disse que “os cristãos estão muito confiantes de que sabe todas as respostas” e um quarto deles disse que “o cristianismo é anti-ciência”.

A displicência que é tratado a questão do sexo na Igreja: Dezessete por cento dos jovens cristãos dizem que “quando cometem erros se sentem julgados pela igreja por causa deles.” Dois em cada cinco adultos jovens católicos disseram que os ensinamentos da Igreja sobre o controle da natalidade e sexo estão “fora de época.”

A luta com o exclusivismo do cristianismo: A quinta razão o estudo para um êxodo das igrejas é que muitos jovens adultos lutam com a exclusividade do cristianismo. Vinte e nove por cento dos jovens cristãos disse que “as igrejas têm medo das crenças de outras religiões” e sentem que têm que escolher entre seus amigos e sua fé.

A dúvida é tratada com hostilidade pela igreja: A última razão o estudo dá para os jovens deixarem a igreja é que eles sentem que a mesma é “hostil para aqueles que duvidam.” Mais de um terço dos jovens adultos disseram que sentem que não podem fazer perguntas mais urgentes da vida na igreja e 23 por cento disseram ter “dúvidas significativas intelectual” sobre sua fé.

David Kinnaman, presidente Barna Group e autor do livro sobre esses resultados,Você me Perdeu: Por que os cristãos jovens estão Saindo da Igreja e Repensando a Igreja, disse que parte do problema pode ser que muitas

igrejas estão orientando no modo “tradicional” os jovens adultos.

Mas a maioria dos jovens adultos já não querem seguir o caminho normal de sair de casa, após receber uma educação, encontrar um emprego, casar e ter filhos, tudo antes da idade de 30. Estes eventos de vida estão sendo adiados, reordenados, e às vezes empurrado completamente fora do contexto de entre os jovens adultos de hoje.

A Barna destaca na atualização deste estudo, que os jovens adultos de hoje são fortemente influenciados por grandes mudanças sociais, espirituais e tecnológicas que ocorreram no último quarto de século.

“Conseqüentemente, as igrejas não estão preparados para lidar com a ” nova normalidade “. Em vez disso, os líderes da igreja estão trabalhando de maneira mais desapercebida com jovens, adultos casados, especialmente aquelas com filhos. Sem no entanto se aperceber que o mundo dos jovens adultos está mudando de maneira rápida e significativa, como o seu acesso fácil com o mundo e visões de mundo através da tecnologia, sua alienação de várias instituições, e seu ceticismo em relação a fontes externas de autoridade, incluindo o cristianismo e a Bíblia. ”

“A maioria de nossas igrejas é composta de jovens de 20, 30 e 40 anos – devido a isso os nossos líderes têm a mesma mentalidade que algumas das pessoas mais jovens que frequentam a igreja e acabam tratando os mais jovens de uma forma sem autenticidade ,fazendo uso de respostas banais, anti-discussão científica, etc… Como diz a Escritura, e acreditamos que, Jesus está levantado os jovens para O adorar, também devem ser atraído por ele … por isso vamos levantá-lo de uma forma que eles possam participar “.

Kinnaman observou que muitas igrejas a abordagem das gerações é feita de uma forma hierárquica, de cima para baixo, em vez de implantar uma equipe de verdade dos fiéis de todas as idades. “Cultivar relacionamentos entre gerações é uma das formas mais importantes em que as comunidades de fé efetiva estão desenvolvendo, fé crescente em ambos, jovens e velhos. Em muitas igrejas, isso significa mudar a metáfora de simplesmente passar o bastão para a próxima geração a um mais funcional imagem bíblica, de um corpo – isto é, toda a comunidade de fé, ao longo da vida inteira, trabalhando juntos para cumprir os propósitos de Deus. ”


Visita dos Jesuítas a Dom Helder.

Catedral da Arquidiocese de Olinda e Recife - Túlulo de Dom Helder Câmara

Jesuítas com a Irmã que cuidou de dom Helder por muitos anos.
...mesa de trabalho do DOM.
Saudades Dom Helder!!
Obrigado pelo seu testemunho e pela sua vida entre nós.
Mais uma vez, o SAV-Iconha reuniu jovens das paróquias de Iconha e Anchieta para compartilharem um
final de semana como "amigos no Senhor". Sim, mais uma convivência foi realizada em nossa paróquia. Contamos com a participação de 47 jovens: Trinta e dois rapazes e 15 meninas. Instituímos, neste final de semana (17-18/09), mais uma modalidade de convivência inaciana.

Simultaneamente, juntamos os meninos em uma comunidade (Monte Belo) e as meninas em outra (Santo Antônio). Cada grupo vivenciou a mesma programação e a mesma temática nas respectivas comunidades. No domingo nos encontramos em uma terceira comunidade (Campinho), onde realizamos, após a celebração da Eucaristia, uma gincana e partilhamos um saboroso almoço na comunidade local.

Até a próxima!

Pe. Jean Fábio,SJ




quarta-feira, 28 de setembro de 2011

domingo, 25 de setembro de 2011

IV Encontro de Universitários - Feira de Santana



RECORDANDO O MAGIS E JMJ 2011

ALEMANHA: DISCURSO DO PAPA AOS JOVENS

Viagem apostólica de Bento XVI
FRIBURGO, sábado, 24 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – Apresentamos o discurso que Bento XVI dirigiu hoje na vigília de oração com os jovens na Feira de Freiburg im Breisgau.
* * *
Queridos jovens amigos!
Durante todo o dia, pensei com alegria a esta noite, quando poderia estar aqui junto convosco e estar unido a vós na oração. Talvez alguns de vós tenham estado presentes na Jornada Mundial da Juventude, onde pudemos experimentar a singular atmosfera de serenidade, profunda comunhão e íntima alegria que caracteriza uma vigília nocturna de oração. Espero que possamos nós também fazer a mesma experiência neste momento: Que o Senhor nos toque e faça de nós testemunhas jubilosas, que rezam juntas e servem de suporte umas às outras não só nesta noite, mas durante toda a nossa vida.
Em todas as igrejas, nas catedrais e nos conventos, em toda a parte onde se reúnem os fiéis para a celebração da Vigília Pascal, a mais santa de todas as noites começa com o acendimento do círio pascal, cuja luz é transmitida a todos os presentes. Uma minúscula chama irradia-se para muitas luzes e ilumina a casa de Deus que estava às escuras. Neste maravilhoso rito litúrgico que imitámos nesta vigília de oração, desvenda-se-nos, através de sinais mais eloquentes do que as palavras, o mistério da nossa fé cristã. Jesus, que diz de Si próprio: «Eu sou a luz do mundo» (Jo 8, 12), faz brilhar a nossa vida, para ser verdadeiro o que acabámos de ouvir no Evangelho: «Vós sois a luz do mundo» (Mt 5, 14). Não são os nossos esforços humanos nem o progresso técnico do nosso tempo que trazem a luz a este mundo. Experimentamos sempre de novo que o nosso esforço por uma ordem melhor e mais justa tem os seus limites. O sofrimento dos inocentes e, enfim, a morte de cada homem constituem uma escuridão impenetrável que pode talvez ser momentaneamente iluminada por novas experiências, como a noite o é por um relâmpago; mas, no fim, permanece uma escuridão acabrunhadora.
Ao nosso redor pode haver a escuridão e as trevas, e todavia vemos uma luz: uma chama pequena, minúscula, que é mais forte do que a escuridão, aparentemente tão poderosa e insuperável. Cristo, que ressuscitou dos mortos, brilha neste mundo, e fá-lo de modo mais claro precisamente onde tudo, segundo o juízo humano, parece lúgubre e sem esperança. Ele venceu a morte – Ele vive – e a fé n’Ele penetra, como uma pequena luz, tudo o que é escuro e ameaçador. Certamente quem acredita em Jesus não é que vê sempre só o sol na vida, como se fosse possível poupar-lhe sofrimentos e dificuldades, mas há sempre uma luz clara que lhe indica um caminho que conduz à vida em abundância (cf. Jo 10, 10). Os olhos de quem acredita em Cristo vislumbram, mesmo na noite mais escura, uma luz e vêem já o fulgor dum novo dia.
A luz não fica sozinha. Ao seu redor, acendem-se outras luzes. Sob os seus raios, delineiam-se de tal modo os contornos do ambiente que nos podemos orientar. Não vivemos sozinhos no mundo. Precisamente nas coisas importantes da vida, temos necessidade de outras pessoas. Assim, de modo particular na fé, não estamos sozinhos, somos anéis na grande corrente dos crentes. Ninguém chega a crer, senão for sustentado pela fé dos outros; mas, por outro lado, com a minha fé contribuo para confirmar os outros na sua fé. Ajudamo-nos mutuamente a ser exemplo uns para os outros, partilhamos com os outros o que é nosso, os nossos pensamentos, as nossas acções, a nossa estima. E ajudamo-nos mutuamente a orientar-nos, a identificar o nosso lugar na sociedade.
Queridos amigos, diz o Senhor: «Eu sou a luz do mundo; vós sois a luz do mundo». É uma coisa misteriosa e magnífica que Jesus tenha dito de Si próprio e de cada um de nós a mesma coisa, ou seja, que «somos luz». Se acreditarmos que Ele é o Filho de Deus que curou os doentes e ressuscitou os mortos, antes, que Ele mesmo ressuscitou do sepulcro e está verdadeiramente vivo, então compreenderemos que Ele é a luz, a fonte de todas as luzes deste mundo. Nós, ao contrário, não cessamos de experimentar a falência dos nossos esforços e o erro pessoal, apesar das melhores intenções. Ao que parece, não obstante o seu progresso técnico, o mundo onde vivemos, em última análise, não se tem tornado melhor. Existem ainda guerras, terror, fome e doença, pobreza extrema e desalmada repressão. E mesmo aqueles que, na história, se consideraram «portadores de luz», mas sem ter sido iluminados por Cristo que é a única verdadeira luz, para dizer a verdade, não criaram paraíso terrestre algum, antes instauraram ditaduras e sistemas totalitários onde até a mais pequena centelha de humanismo foi sufocada.
Neste ponto, não devemos calar o facto de que o mal existe. Vemo-lo em tantos lugares deste mundo; mas vemo-lo também – e isto assusta-nos – na nossa própria vida. Sim, no nosso próprio coração, existe a inclinação para o mal, o egoísmo, a inveja, a agressividade. Com uma certa autodisciplina, talvez isto se possa, em certa medida, controlar. Caso diverso e mais difícil se passa com formas de mal mais escondido, que podem envolver-nos como um nevoeiro indefinido, tais como a preguiça, a lentidão no querer e no praticar o bem. Repetidamente, ao longo da história, pessoas atentas fizeram notar que o dano para a Igreja não vem dos seus adversários, mas dos cristãos tíbios. Então como pode Cristo dizer que os cristãos – sem ter excluído os cristãos fracos e frequentemente tão tíbios –são a luz do mundo? Compreenderíamos talvez que Ele tivesse gritado: Convertei-vos! Sede a luz do mundo! Mudai a vossa vida, tornai-a clara e resplandecente! Não será caso de ficar maravilhados ao vermos que o Senhor não nos dirige um apelo, mas diz que somos a luz do mundo, que somos luminosos, que resplandecemos na escuridão?
Queridos amigos, o apóstolo São Paulo, em muitas das suas cartas, não tem receio de designar por «santos» os seus contemporâneos, os membros das comunidade locais. Aqui torna-se evidente que cada baptizado – ainda antes de poder realizar boas obras ou particulares acções – é santificado por Deus. No baptismo, o Senhora acende, por assim dizer, uma luz na nossa vida, uma luz que o Catecismo chama a graça santificante. Quem conservar essa luz, quem viver na graça, é efectivamente santo.
Queridos amigos, a imagem dos santos foi repetidamente objecto de caricatura e apresentada de modo distorcido, como se o ser santo significasse estar fora da realidade, ser ingénuo e viver sem alegria. Não é raro pensar-se que um santo seja apenas aquele que realiza acções ascéticas e morais de nível altíssimo, pelo que se pode certamente venerar mas nunca imitar na própria vida. Como é errada e desalentadora esta visão! Não há nenhum santo, à excepção da bem-aventurada Virgem Maria, que não tenha conhecido também o pecado e que não tenha caído alguma vez. Queridos amigos, Cristo não se interessa tanto de quantas vezes vacilastes e caístes na vida, como sobretudo de quantas vezes vos erguestes. Não exige acções extraordinárias, mas quer que a sua luz brilhe em vós. Não vos chama porque sois bons e perfeitos, mas porque Ele é bom e quer tornar-vos seus amigos. Sim, vós sois a luz do mundo, porque Jesus é a vossa luz. Sois cristãos, não porque realizais coisas singulares e extraordinárias, mas porque Ele, Cristo, é a vossa vida. Sois santos, porque a sua graça actua em vós.
Queridos amigos, nesta noite em que nos reunimos em oração ao redor do único Senhor, vislumbramos a verdade da palavra de Cristo segundo a qual não pode ficar escondida uma cidade situada no cimo de um monte. Esta assembleia brilha nos vários significados da palavra: quer no clarão de inúmeras luzes, quer no resplendor de tantos jovens que acreditam em Cristo. Uma vela só pode dar luz, se se deixar consumir pela chama; permaneceria inútil, se a sua cera não alimentasse o fogo. Permiti que Cristo arda em vós, ainda que isto possa às vezes implicar sacrifício e renúncia. Não tenhais medo de poder perder alguma coisa, ficando, no fim, por assim dizer de mãos vazias. Tende a coragem de empenhar os vossos talentos e os vossos dotes pelo Reino de Deus e de vos dar a vós mesmos – como a cera da vela –, para que o Senhor ilumine, por vosso meio, a escuridão. Sabei ousar ser santos ardorosos, em cujos olhos e coração brilha o amor de Cristo e que, deste modo, trazem luz ao mundo. Eu confio que vós e muitos outros jovens aqui na Alemanha sejam chamas de esperança, que não ficam escondidas. «Vós sois a luz do mundo». Amen.
[Copyright 2011 - ©Libreria Editrice Vaticana]

sábado, 24 de setembro de 2011

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

REUNIAO DA COMISSAO VOCACIONAL


Desde o dia 21/09 que a Comissão Vocacional da Provincia Brasil Nordeste está reunida na Comunidade Pe. Miguel Pró, em Olinda-PE. Estão presentes os PP. Jean Fábio (responsável pelo núcleo Espírito Santo), Erinaldo (responsável pelo núcleo Piauí/Maranhão), Agnaldo Júnior (coordenador da comissão e responsável pelo núcleo Ceará) José Laércio (diretor da Comunidade Vocacional Sao Pedro Claver), Ir. Napoleão e o junior Renato (do núcleo Paraíba/Rio Grande do Norte), Ir. Bira (anfitrião do nosso encontro e responsável pelo núcleo Pernambuco/Alagoas).
Como de costume, partilhamos as atividades que estão sendo realizadas nos respectivos núcleos, avaliamos a caminhada do núcleo, apresentamos os possíveis jovens que farão a experiência interna na Comunidade Vocacional em 2012. Nessa reunião contamos com a presença do provincial Pe. Miguel Martins para vermos juntos alguns encaminhamentos da comissão e projetarmos o trabalho com juventude e vocações na província.
Continuamos pedindo ao Senhor da Messe que nos anime na missão e que muitos outros jovens venham juntar-se a nós no serviço ao Reino como jesuítas.
Beato Anchieta, rogai por nós!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Encontro de Padres Jovens Jesuítas

A Província do Nordeste do Brasil, promoveu mais um ano o encontro dos padres jovens.
A reunião aconteceu nos dias 19 - 21 deste mês na residência da UNICAP - Católica de Pernambuco. Foi uma experiência forte de partilha e reencontro. Como é bom reencontrar os companheiros de missão. Nossa vida é partilha, serviço, encontros e reencontros.

Participaram do encontro o Diác. Francys, os padres Agnaldo, Sérgio José, Paulo Cesar, Jean Fábio, Marcelino, Moisés, Álvaro, Charles, Laércio, Sérgio Mendonça, Sandoval, Erinaldo, Edvam, Lúcio Flávio e Marcos Augusto.

domingo, 18 de setembro de 2011

GAVI - FORTALEZA



Neste final de semana, aconteceu mais um GAVI no núcleo Fortaleza, na Comunidade Vocacional. Aprofundamos nesse mês A Missão da Companhia de Jesus, ontem e hoje. Assistimos o filme A Missão e trabalhamos o perfil dos candidatos que a missão da Companhia, segundo a Congregação Geral 35ª, pede hoje, segundo um texto elaborado pelo Pe. Ernesto Cavassa, presidente da Conferência dos Provinciais Jesuítas da América Latina.

No próximo mês estamos programando fazer um retiro, retomando a caminhada desse ano de 2011.

Aos gavianos que estiveram presente nossas orações e aqueles que nos acompanham pelo blog e emails, que possa chegar o dia de nos conhecermos.

Forte abraço a todos e até o próximo GAVI. (Pe. Agnaldo Júnior)




Papa pede vocações para nova evangelização

Este domingo durante a oração do Angelus
CASTEL GANDOLFO, domingo, 18 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – Bento XVI animou a pedir à Virgem Maria vocações para o serviço da nova evangelização, este domingo, ao introduzir a oração do Angelus com os peregrinos reunidos em Castel Gandolfo.
“Dirijamo-nos em oração à Virgem Maria, para que em toda a Igreja amadureçam vocações sacerdotais, religiosas e leigas para o serviço da nova evangelização”, disse.
O Papa afirmou que “hoje vivemos em uma época de nova evangelização. Vastos horizontes se abrem ao anúncio do Evangelho, enquanto regiões de antiga tradição cristã estão chamadas a redescobrir a beleza da fé”.
Ele destacou quem são os protagonistas desta missão: “homens e mulheres que, como São Paulo, podem dizer: ‘Para mim o viver é Cristo’”.
São “pessoas, famílias, comunidades que aceitam trabalhar na vinha do Senhor, segundo a imagem do Evangelho deste domingo. Trabalhadores humildes e generosos que não pedem outra recompensa a não ser participar da missão de Jesus e da Igreja.”
“Queridos amigos, o Evangelho transformou o mundo, e ainda o está transformando, como um rio que rega um imenso campo”, afirmou o pontífice.

sábado, 17 de setembro de 2011

JOVENS ACOLHEM CRUZ DA JMJ NESTE DOMINGO EM SÃO PAULO


Evento intitulado “Bote Fé” acontece durante o dia todo no Campo de Marte

SÃO PAULO, sexta-feira, 16 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – A festa de acolhida no Brasil da Cruz dos jovens e do ícone de Nossa Senhora, símbolos da JMJ (Jornada Mundial da Juventude), cuja próxima edição será no Rio de Janeiro, em 2013, acontece neste domingo em São Paulo.
O evento, intitulado “Bote Fé”, será realizado durante todo o domingo (18), no Campo de Marte, zona norte de São Paulo, com transmissão ao vivo pelo site www.botefesp.com.br.
Das 9h às 21h acontecem apresentações musicais, pregações e testemunhos para um público estimado de 60 mil pessoas da capital e Grande São Paulo, além de caravanas de diversos estados.
O evento apresentará testemunhos de jovens que participaram de jornadas anteriores, espetáculo teatral, lançamento oficial do site JMJ Rio-2013, além de shows com vários cantores católicos como padre Fábio de Mello, padre Reginaldo Manzotti, padre Juarez Castro, Dunga, Vida Reluz, Eliana Ribeiro entre outros.
"A Cruz é sempre um indicativo de Jesus Cristo para convocar os jovens a se encontrarem com Cristo. Da mesma forma o Ícone de Nossa Senhora indica a presença materna da Mãe de Jesus junto aos seguidores de Cristo”, afirmou o cardeal Odilo Scherer.
O ponto alto do evento será a chegada a Cruz e do Ícone de Nossa Senhora seguida de uma missa solene presidida pelo arcebispo de São Paulo, cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, e concelebrada por inúmeros bispos, entre eles o núncio apostólico no Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri, representante do Papa Bento 16.
A rádio 9 de Julho (AM 1600 kHz), da arquidiocese de São Paulo, também transmitirá o evento, além de diversas emissoras de rádio e televisão católicas que darão ampla cobertura para o “Bote Fé”.
Depois da passagem por São Paulo, a Cruz e o Ícone vão percorrer 275 dioceses no Brasil até a vinda do Papa Bento XVI, em julho de 2013, para a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro.
Os símbolos da Jornada devem passar por todas as 17 Regionais da CNBB. Estão também previstas 19 grandes festas nas capitais brasileiras, todas com o nome "Bote Fé".
Em dezembro de 2012, a Cruz e o Ícone deixam o Brasil e visitam Paraguai, Uruguai, Chile e Argentina. Eles retornam em janeiro de 2013 para o Sul do Brasil. A etapa final acontecerá no Sul de Minas, no Vale do Paraíba (São Paulo) e, finalmente, no Estado do Rio de Janeiro, onde chegam em abril de 2013.
--- --- ---
Na internet:
Vídeo de Dom Odilo Scherer convidando para o “Bote Fé”: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=cdYLpiYXPYw




Fonte: ZENIT


sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ir. BIRA PROFESSARÁ OS ÚLTIMOS VOTOS



Nosso companheiro Ir. Bira, responsável pelo acompanhamento vocacional do Núcleo Pernambuco/Alagoas irá professar seus últimos votos no próximo dia 25/09, às 17h na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Águas Compridas, Olinda-PE.


Com a profissão dos últimos votos, chega para o jesuíta o momento de integrar-se definitivamente na Companhia de Jesus. Pois Santo Inácio de Loyola concebeu a Companhia de Jesus como um corpo que vai se integrando pouco a pouco.


Depois de terminada a formação inicial, os jesuítas são convidados a fazer a "Terceira Provação", uma etapa da formação que permite voltar as raízes de sua vocação, tempo para fazer mais uma vez a grande experiência dos Exercícios Espirituais de 30 dias, ler novamente os textos fundadores da tradição jesuíta, assim como fazer uma releitura de todo esse tempo vivido até agora.


Somente após ter feito a etapa da "Terceira Provação" é que os jesuítas são convidados a professar os últimos votos. Isso poderia levantar a seguinte pergunta: "E os votos professados anos atrás, no noviciado, não valem?" Não se trata disso. Nos primeiros votos, os jesuítas expressam seu desejo de viver e morrer na Companhia de Jesus. Esses votos são perpétuos, para sempre. Mas é ao final da formação, quando terminaram os estudos necessários e que o jesuíta encontra-se pronto para integrar-se plena e definitivamente na missão da Companhia, é que ele pode pronunciar seus últimos votos.

PARTILHA SOBRE O MAGIS E JMJ 2011

Motivados pelos lemas “Com Cristo no coração do mundo” e «arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé» (Col 2, 7) participamos das experiências MAGIS e Jornada Mundial da Juventude, em Madrid. Formamos um grupo de 8 pessoas representando a Província Brasil Nordeste: Ingrid e Rebeca (ex-alunas do Colégio São Francisco de Sales – Teresina-PI), Geison (Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Mondubim Fortaleza-CE), Marcos Paulo (Paróquia Santo Antônio – Iconha-ES), e os jesuítas, Ir. Bira, Pe. Erinaldo, Pe. Jean Fábio e Pe. Agnaldo Júnior.
Nossa aventura começou em Loyola, onde chegamos no dia 05/08 e não necessariamente nossas bagagens, pois as mochilas de Jean Fábio, Marcos Paulo, Rebeca e Geison tomaram outro destino. Mas nossos irmãos tiraram isso de letra e não se deixaram abater o ânimo. Foram mais fortes e se abriram as novas experiências que estavam para serem vividas.
Em Loyola fomos muito bem acolhidos e preparados para um intenso momento de entrosamento com os jovens que vieram de outras partes do mundo. Momento também para conhecer o Santuário, o Centro de Espiritualidade e os arredores de Loyola. Tivemos a presença do Pe. Geral, que na abertura do MAGIS nos dirigiu umas palavras e no dia 07/08 presidiu a eucaristia de encerramento do período em Loyola, enviando agora cada participante do MAGIS as diversas experiências programadas para acontecer na Espanha e Portugal: espiritualidade, ecologia, arte, peregrinação, social...
Após as experiências, nos concentramos em Madrid, no Colégio Nuestra Señora del Recuerdo, a fim de concluir o MAGIS e darmos início a Jornada Mundial da Juventude.
A experiência da JMJ foi uma coisa extraordinária. Experimentar de perto a festa e a alegria de milhares de jovens, tomando as ruas de Madrid com suas bandeiras, cantos, sorrisos, foi confirmar que a JMJ revela o rosto jovem da Igreja, e celebra em sua diversidade o que constitui exatamente a sua riqueza. Impressionante a quantidade de brasileiros nessa jornada. Sem dúvidas, a proximidade, o momento econômico que estamos vivendo e a expectativa de acolhermos aqui a próxima jornada, motivou muitos brasileiros a fazerem um esforço a mais e marcar presença em Madrid.
A programação do dia consistia em participar de manhã das catequeses oferecidas pelos bispos, em várias línguas e temáticas, sempre seguidas da celebração da eucaristia. Na parte da tarde e noite havia uma vasta programação social, cultural, exposições, shows, celebrações... que exigia de cada um bastante disposição, energia, para aguentar o ritmo intenso.
No primeiro dia da JMJ, o cardeal Dom Antônio Maria Rouco celebrou a eucaristia, participada por milhares de jovens que lotaram a Praça Cibeles. No dia seguinte, foi a vez de acolhermos o Papa Bento XVI, que passou pelas ruas no papa móvel, abençoando a todos e manifestando sua alegria de acompanhar mais uma jornada mundial da juventude. No outro dia, o papa voltou a Praça Cibeles para presidir a via sacra, igualmente participada e acompanhada por milhares e milhares de jovens. Por fim, foi a vez de nos concentrarmos todos no aeroporto de Cuatro Ventos para a grande experiência da Vigília com o papa e a eucaristia de encerramento da JMJ 2011. Para aqueles que acompanharam as imagens através da televisão ficaram encantados com a quantidade de jovens presentes naquele recinto. Mas para os que lá estavam presentes foi uma verdadeira experiência de superação dos limites, pois fazia um calor de 40º graus, pouca água, cada um instalado no seu saco de dormir a fim de garantir espaço para dormir a noite etc. Com a chegada do papa para presidir a vigília, chegou também uma tempestade de mais ou menos uns 20 minutos, mas que não intimidou nem ao papa, nem aos jovens. Foi impressionante sentir também o grande silêncio que dois milhões de pessoas fizeram no momento da vigília, da adoração e da escuta das palavras do papa.
Passamos a noite nesse lugar, disputando espaço com as pedras e improvisando uma barraca a fim de nos protegermos da chuva e da poeira. Devido a quantidade de pessoas que já estavam alojadas em Cuatro Ventos, que passava de dois milhões, muitas outras pessoas, mesmo com a credencial, ficaram impossibilitadas de entrar para participar da missa de encerramento.
A eucaristia final, presidida pelo Papa Bento XVI e concelebrada por muitos bispos e padres, encerrou essa grande experiência com chave de ouro e no final, o papa anunciou o Brasil como sede da próxima JMJ, no Rio de Janeiro, em 2013, entregando a Cruz Missionária, que irá a visitar as nossas paróquias. Pe. Agnaldo Júnior

Segue alguns depoimentos:
"O MAGIS foi incrível. Não apenas pelo contato com jovens do mundo todo, nem pelas experiências tocantes, nem pelo aprendizado de convivência e de superação, mas porque nunca, em nenhuma outra experiência religiosa , senti tanto a força da fé e a presença de Deus em minha vida. Obrigada a todos que me proporcionaram e me ajudaram nesse encontro."
Rebeca Maria Nepomuceno.




"Para mim os dias de experiência na Espanha serviram para tomar consciência de que muitas pessoas dispersas pelas mais diferentes partes do planeta, especialmente jovens, compartilham comigo da mesma fé em Cristo, e que isso mantém viva a esperança de um mundo mais focado nos ensinamentos do Evangelho. Aprendi que é nas atividades mais simples e desgastantes (como um trabalho arqueológico) que se percebe a importância da coletividade, e como cada um é decisivo para que todo o conjunto possa chegar a seu objetivo. É necessário ter paciência e persistência, mesmo que a situação atual não seja a mais favorável." Marcos Paulo Drago Lovati.

VOCACIONADOS EM MISSÃO...



Nossos vocacionados Daniel, Luzimar, Pedro, Arthur, Bruno e Clebson estão nesse momento viajando rumo a Marabá-PA, para participar da missão em preparação a ordenação presbiteral do Diácono Horácio, que acontecerá no dia 25/09.


É mais uma experiência de missão que toca a eles no processo de discernimento da vocação, da vontade de Deus para suas vidas.


Rezemos por eles, pelo êxito da missão e pelo diácono Horácio.



"Missionário vem cá, vem saudar Jesus Cristo que está no altar... Já vou, já vou, atender o chamado de nosso Senhor!!!"

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Eu também sou chamado!!!



É tempo de aprofundar o chamdo de Deus em nossa vida.
Vamos juntos caminhar!
Deixe Deus falar, nao tenham medo!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pe Zezinho - Águia pequena



Nós não somos deste mundo. Somos chamados a voar, subir, embora, não podemos esquecer do mundo e da vida que nos circunda. Vivemos no mundo para transformá-lo. Mas pertencemos a Deus, ao Céu, pois de lá que nos vem a vocação, a força, o amor, o perdão, a existência.
Escutemos esta música e entenderemos.

Será que somos verdadeiras águias???

BRASIL ABRAÇA E ACOLHE A CRUZ MISSIONÁRIA DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

SÃO PAULO, terça-feira, 13 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – A Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro (JMJ Rio-2013) tem seu primeiro ato em São Paulo no domingo, 18 de setembro de 2011. E que momento importante! A cruz missionária e o ícone de Nossa Senhora são acolhidos por uma multidão de jovens e não jovens num dia inteiro de festa, música, testemunhos sobre a JMJ Madrid-2011.
O aeroporto do Campo de Marte, mais uma vez, é palco de uma grande manifestação de fé, de irradiação da mensagem do Evangelho e de partida missionária para todo o Brasil. Foi lá também que, em maio de 2007, o papa Bento XVI, celebrou a canonização de S.Antônio de Santana Galvão, o primeiro santo nascido em terras brasileiras.
Em Madrid, dia 21 de agosto passado, num outro aeroporto urbano, chamado “Quatro Ventos”, foi bonita e muito sugestiva a cena quando os jovens espanhóis entregaram a cruz missionária e o ícone de Nossa Senhora a um grupo de jovens brasileiros. Aqueles a carregavam e levantaram; estes a acolheram com as mãos estendidas para o alto, enquanto ela descia para seus braços abertos. Bendita cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo! Nela nos gloriamos, porque foi sobre ela entregue à morte nosso Salvador! Agora, os jovens do Brasil, numerosos e bem representados no Campo de Marte, fazem o mesmo aqui, na Terra de Santa Cruz, justamente poucos dias após a festa litúrgica da Exaltação da Santa Cruz!
Foi o beato João Paulo II que entregou esta cruz aos jovens, para que a levassem aos países onde se realizam as JMJ. E acrescentou também um ícone bonito de Nossa Senhora, para que acompanhasse a cruz. É uma cruz simples, de madeira, mas ela representa e traz a lembrança do próprio Jesus Cristo crucificado. De fato, é Ele que nos visita no sinal da sua cruz missionária; e Ele mesmo será acolhido, certamente com festa e belas manifestações de fé, em cada uma das 275 dioceses brasileiras, até chegar ao Rio de Janeiro, em julho de 2013. Em toda parte, o mesmo gesto, de acolher a cruz de braços abertos, antes de erguê-la bem alto, para que todos vejam nela o sinal de nossa salvação.
Aos pés da cruz, estará sempre Maria a Mãe de Jesus. Ela está lá, onde se encontra Jesus com seus discípulos. Estes não podem esquecer que, por vontade e testamento do próprio Jesus, ela é sua mãe também: “mulher, eis teu filho; filho, eis tua mãe” (cf. Jo 19,26-27).
Cristo peregrino nos visita, com sua cruz; Cristo missionário nos convoca para ouvirmos de novo seu Evangelho; o Cristo da via dolorosa também passará por nossos lugares de sofrimento, carregado das dores da humanidade, de tantos jovens... E talvez será escarnecido novamente, no desprezo feito aos irmãos... Ele conta com nossa sensibilidade, como fez o Cirineu, para aliviarmos sua cruz, que pesa nos ombros de tantos brasileiros. Cristo ressuscitado nos visita, conforta e dá esperança, dando-nos a certeza de que Ele se faz nossa companhia nos caminhos de nossas solidões... Cristo missionário do Pai nos envia novamente, com o dom do Espírito Santo, para anunciarmos o Evangelho da vida e da esperança a todos os brasileiros. O lema da JMJ Rio-2013 bem indica nossa missão: “ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações” (cf Mt 28,19).
O Brasil está recebendo um carinho de Deus; nossos jovens e nossa Igreja receberão graças muito especiais durante este período de preparação para a JMJ Rio-2013. Será um “tempo favorável”, muito bem-vindo, especialmente para envolver as novas gerações na vida e na missão da Igreja. Para os adultos, será ocasião para uma nova valorização da própria fé e participação na vida eclesial. Para os jovens, poderá ser um tempo de encontros marcantes com Cristo e de descoberta da herança apostólica, custodiado e transmitido pela Igreja, de geração em geração, e que vai passando às suas mãos também.
Bem-vindo a nós, Jesus Cristo missionário! Bem-vinda, Nossa Senhora da Visitação! Os jovens do Brasil os acolhem de braços abertos!
Publicado em O SÃO PAULO, ed. de 13.09.2011
Card. Odilo P. Scherer é arcebispo de São Paulo


terça-feira, 13 de setembro de 2011

ACÓLITOS CELEBRAM SÃO TARCÍSIO



Domingo, dia 11/09, os acólitos da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro - Mondubim, Fortaleza, celebraram a memória de São Tarcísio. As 17h houve uma missa, presidida pelo Pe. Agnaldo Júnior, coordenador paroquial dos acólitos, logo após tivemos um lanche partilhado e algumas apresentações. Cerca de 140 acólitos estavam presentes, acompanhados dos seus pais e acompanhantes.

Que a exemplo de São Tarcísio, nossos acólitos possam crescer, cada vez mais, no serviço ao Reino de Deus.

SÃO JOÃO CRISÓSTOMO - Bispo e Doutor da Igreja

Celebramos hoje a memória de São João Crisóstomo (século IV), bispo e doutor da Igreja que recebeu o nome de "Boca de Ouro", devido a sua notável diligência e competência na arte de falar e escrever, para expor a doutrina católica e formar os fiéis na vida cristã.
Deixamos aqui um trecho das suas homilias.

"Para mim, viver é Cristo e morrer é lucro"

Sobrevêm muitas ondas e fortes tempestades, mas não tememos afogar, pois estamos firmados sobre a pedra. Enfureça-se o mar, não tem forças para destruir a pedra. Ergam-se as vagas, não podem submergir o navio de Cristo. Pergunto eu: que temeremos? A morte? Para mim, viver é Cristo, e morrer é lucro (Fl 1,21). O exílio talvez, dizes-me? Do Senhor é a terra e tudo quanto contém (Sl 23,1). A confiscação dos bens? Nada trouxemos para o mundo e, é certo, nada daqui poderemos levar (1Tm 6,7); os pavores deste mundo são desprezíveis, e seus bens, merecedores de riso. Não tenho medo da pobreza, não ambiciono riquezas, não temo a morte, nem prefiro viver a não ser para vosso proveito. Por isto recordo os acontecimentos atuais e rogo a vossa caridade que tenhais confiança.
Não escutas o Senhor dizer: Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, estarei ali no meio deles? (Mt 18,20). E onde há tanta gente ligada pelos laços da caridade não estará ele presente? Tenho o seu penhor. Será que confio em minhas próprias forças? Seguro seu testamento. ESte é o meu bordão, a minha segurança, o meu porto tranquilo. Abale-se embora o universo, tenho sua resposta, leio os seus escritos: aí está a muralha para mim, a fortaleza. Que escritos? Eu estou convosco todos os dias até a consumação do mundo (Mt 28,20).


Cristo está comigo, a quem temerei? Mesmo que as ondas, o furor dos príncipes se agitem contra mim, tudo isto não me impressiona mais do que uma aranha. E se vossa caridade não me retivesse, não recusaria partir ainda hoje mesmo para outro lugar. Repito sempre: Senhor, faça-se a tua vontade (Mt 26,42); não o quer este ou aquele, mas o que tu queres. Esta é a minha torre, minha pedra imóvel; este o meu báculo firme. Se Deus quer isto, faça-se. Se quiser que permaneça aqui agradecerei. Onde quer que me queira, darei graças.


E onde estou eu, aí estais vós; onde estais, aí eu também: somos um só corpo e não se separa o corpo da cabeça, nem a cabeça do corpo. Estamos em lugares distantes, mas unidos na caridade, que nem a morte poderá separar. Porque, embora morra meu corpo, viverá a alma que lembrará do povo.


Vós sois meus cidadãos, vós, meu pais, vós, meus irmãos, vós, filhos, vós, membros, vós corpo. Para mim sois a luz, ou melhor, mais deliciosos que esta luz. O que poderá enviar-me um raio igual à vossa caridade? O raio de sol para mim é vida, porém vossa caridade tece-me a coroa para o futuro.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Retiro com a Juventude





Neste final de semana estive presente assessorando um retiro para os jovens da paróquia de N. S. de Nazaré, dos Piamartinos. Foi uma experiência bonita, os jovens corresponderam e experimentaram um pouco a experiência dos Exercícios de Santo Inácio através da Jornada Inaciana de oração.



O confronto com a vontade de Deus foi inevitável.


Agradeço o convite e o acolhimento da bonita juventude e do Pe. Fábio, Piamartino.


Cada dia mais, nossa missão com a juventude vai se deliniando, nao podemos fugir de nossa vocação, de nosso serviço alegre aos jovens, revelar o rosto alegre do Cristo que tanto nos ama, mostrando que em tudo podemos amar e servir. Pe. Laércio.sj

Retiro com os Crismandos da Comunidade Beato José de Anchieta



Neste domingo 11 de setembro aconteceu na Comunidade José de Anchieta (Paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro - Mudubim- Fortaleza, Ce), O Retiro para os jovens que estão se preparando para receber o sacramento do Crisma.
Participaram deste retiro cerca de 45 jovens da Comunidade. O encontro foi assessorado pelo Vocacionado Daniel Santos que falou da importância da juventude na Igreja a partir do Documento de Aparecida.
Michel Rodrigues, 21 anos (foto acima) partilha conosco sua experiência de crismando em sua comunidade. “É uma batalha que se ganha com persistência. A fé é que me sustenta na caminhada... fazer parte deste grupo de crisma é uma alegria que preenche”.

A Crismanda Lidiane Macário, 16 anos (foto acima) diz: “É de fundamental importância a experiência de compromisso de estar participando da comunidade. Eu me sinto feliz. Por causa da crisma eu passei a fazer parte da equipe litúrgica. Eu nunca imaginei esta mudança”.

3° Encontro do SAVI

No último dia 11 de setembro, na Comunidade Vocacional São Pedro Claver, Fortaleza/CE, aconteceu o terceiro encontro do SAVI (Serviço de Animação Vocacional Inaciano), reunindo jovens das comunidades Matriz, Parque Santana, Santa Terezinha e Novo Mondubim.

O grupo, anteriormente chamado GRV (Grupo de Reflexão Vocacional), tem o objetivo de discutir tema tão importante que é vocação junto à juventude paroquiana. Nesse terceiro encontro, foi aprofundada a vocação laical. Para tanto, foi realizada uma dinâmica de construção de cartazes, onde se mostrava as várias áreas de atuação do leigo e a sua importância na transformação da sociedade.










O encontro foi assessorado pelos vocacionados residentes na Comunidade Vocacional São Pedro Claver.

GAVI - TERESINA

Neste final de semana, 10 e 11 de setembro, aconteceu mais um GAVI do Núcleo Piauí-Maranhão. Quatro jovens que estão em processo de discerni-mento vocacional junta-mente com Pe. Erinaldo estiveram reunidos no sábado e domingo. O encontro se desenvolveu em clima de partilha e fraternidade. Pe. Álvaro, diretor da Escola Santo Afonso falou como se encontra o apostolado educacional da Companhia de Jesus no Brasil. Também aprofundamos o significado de ser igreja. Outro momento marcante foi a partilha do Pe. Erinaldo sobre as experiências vividas no MAGIS e na Jornada Mundial da Juventude. Rezemos por nossos irmãos: Daniel, Fernando, Lucas e Douglas para que o Senhor ilumine suas vidas e o processo vocacional.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

DIA DE SÃO PEDRO CLAVER

O papa Leão XIII, quando leu a vida de S. Pedro Claver, exclamou: "Nunca uma biografia me havia impressionado tanto como esta". Entre todos os que trabalharam entre os negros, o mais famoso dos missionários foi o padre jesuíta Pedro Claver, que assinava "escravo dos escravos", tendo sua vida confirmado a identificação com este programa. Nasceu em Verdú (Espanha) em 1580.

Como demonstrasse especiais qualidades para o estudo, foi enviado a Barcelona, onde se entusiasmou pelos estudos eclesiásticos e, aos 20 anos, pediu para ser admitido na Companhia de Jesus. Em 1610, foi enviado à Colômbia, especificamente a Santa Fé de Bogotá. Foi porteiro, cozinheiro, enfermeiro e sacristão na casa dos jesuítas. Em 1615, em Cartagena, foi ordenado sacerdote e dedicou-se totalmente a cuidar dos escravos. Faleceu, após ficar quatro anos paralítico numa cama, em 8 de setembro 1654.

O APÓSTOLO DOS ESCRAVOS NEGROS

A Cartagena chegavam, cada ano, cerca de 10 mil escravos negros, trazidos à força do Congo e de Angola. Na África, os negreiros os compravam por duas moedas cada um e em Cartagena os vendiam a 200. O modo como os transportavam era o mais cruel e desumano: um terço morria pelo caminho. Todos os tratavam mal. Somente um homem os recebia bem: era Claver.

Ao chegar um navio negreiro, padre Claver enchia vários cestos com laranjas, limões, biscoitos e outros alimentos e medicamentos, e ia receber os escravos. Antes de tudo, procurava os mais enfermos e graves. Falava com todos por meio de gestos ou de intérpretes e eles ficavam admirados com sua grande amabilidade e bondade. Repartia os alimentos e os medicamentos e tratava de ajudá-los em tudo o que lhe era possível.

Padre Claver passava o dia visitando e ajudando os mais enfermos e abandonados Tinha sete intérpretes que sabiam os idiomas dos negros e por meio deles falava aos recém-chegados. Os negros, no começo, tinham desconfiança daquela pessoa de batina negra esfarrapada e diferente dos outros brancos que os compravam e vendiam, mas depois percebiam que aquele homem era um generoso protetor e lhe tinham muito carinho e veneração.

Pedro dedicava-se a instruir os escravos a respeito da religião e, quando já haviam aceitado que há um só Deus, que enviou seu Filho para nos salvar e que premia os bons e castiga os maus, ele os batizava. Em 40 anos, conforme os biógrafos, teria batizado mais de 300 mil negros. Depois de passar 40 anos atendendo aos mais abandonados da sociedade, foi atacado por altíssimas febres, talvez malária, tão comum na Colômbia daqueles tempos, que o deixaram paralisado e, por 4 anos, imobilizado na cama. No dia 8 de setembro de 1654, com 74 anos, "Pedro Claver, escravo, dos escravos", morreu santamente. Em 1888, o papa Leão XIII declarou-o santo, proclamando-o patrono dos missionários que trabalham entre os negros.

A ALMA DE PEDRO

Alguns poderiam achar estranho o comportamento de Pedro Claver, que trabalhou para a humanização da escravidão, mas que, segundo consta, não defendia a abolição da mesma, como uns poucos personagens de seu tempo. Para Pedro, o problema imediato era humanizar a escravidão que estava debaixo dos seus olhos e levar alívio aos sofrimentos dos escravos negros.

Sua vida de dedicação total aos escravos, como ele dizia, a exemplo de Cristo, queria ser a manifestação concreta do amor de Jesus pelos homens que mais sofriam. Vivia uma vida de penitente, para estar mais perto dos que eram obrigados a uma vida miserável, pela ganância dos senhores escravocratas.

Ele vivia, praticamente, na mesma condição dos escravos e por isso estes o aceitavam: porque o viam como irmão de sofrimento. Não lhe interessavam as disputas teóricas, mas a pessoa real que estava à sua frente, com uma dor que marcava o corpo e a alma. Sua canonização, de fato, foi decretada pelo povo, antes da Igreja.
Fonte:http://www.pime.org.br/mundoemissao/espiritmclaver.htm