quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Vocacionados e voluntariado

O LAR TORRES DE MELO, é uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter exclusivo de assistência social e promoção humana, constituída por número ilimitado de sócios. Os nossos vocacionados prestam um serviço voluntário a esta instituição durante o período de discernimento vocacional. Para eles e para nós da equipe de formação é uma graça contar com um ambiente favorável ao serviço e ao testemunho do AMOR MISERICORDIOSO. Ao terminar as atividades do ano de 2008, compartilharmos com vocês algumas fotos deste trabalho missionário.


Saturnina de Almeida Prudêncio, é uma pessoa idosa de 106 anos de idade, é um exemplo de vida, já foi professora primária; isso ela diz com muito orgulho. É simpática, educada , solteira e muito lúcida. É amante e fiel ao apostolado do coração de Jesus e de Maria.Como ela mesma diz "tem muitos amigos do mais rico ao mais humilde ,o importante é tratar a todos com educação e carimho".D. Saturnina reside no Lar Torres de Melo por escolha própria, é uma pessoa de bem com a vida,vale a pena bater um papo com ela. Ela é maravilhosa, por tudo isso e muito mais...

2 comentários:

Rafael disse...

O tempo da mizericordia é agora.
A vida fala mais que mil palavras,É ter o coração inflamado de amor, é buscar fazer desse mundo um lugar onde o evangelio possa produzir abundantes frutos para todos.
É ser uma pessoa normal capaz de amar, sorrir, chorar e se arriscar.
Ser capaz de estabelecer relações profundas de amizade, de respeiar a complexidade da vida e das pessoas, de trabalhar em colaboração com outros.

Mario disse...

D. Saturnina, a minha querida "Tia Biza", nos deixou agora a pouco, para ficar junto ao "Papai do Céu", como ela me falava, desde pequeno.
Já sinto saudades de beijar sua cabecinha branca, sempre cheirosa; de chegar pertinho dela e chamar-lhe baixinho dizendo "Tia Biza..." e ser recebido com um alegre "Mariozinho..." e um enorme sorriso estampado. Aquilo me tranquilizava a alma.
Quantas lembranças boas, como nos meus aniversários quando sempre fazia questão de vê-la para que ela pudesse me dar um amoroso beijo de parabéns e ouvir um "Eu sabia que você não deixaria de vir!". E de quando eu pedia para que ela rezasse para que eu fizesse boas provas e dias depois, quando nem eu lembrava mais, ela me perguntava: "Meu filho, como foram os exames?".
Outras lembranças, mais longíguas, como de quando ela pegou minha irmã no colo pela primeira vez e eu perguntei feliz: "Tia Biza, está é a minha irmã? e ela respondeu positivamente. E de quando eu sentava em sua cama e a via arrumar com cuidado o seu "altar" que ela montava no canto do quarto com um plástico azul ao fundo imitando o céu.
Ou mais recentemente, no ano passado (ou retrasado não sei, provavelmente ela lembraria pois a memória dela era muito melhor que a minha), quando sentamos na sua cama, no Lar Torres de Melo e nos empanturramos de comer "broa".
Lembro de quando eu demorava mais um pouco a visitá-la e ela sempre falava: "Parece que não gosta mais da Tia Biza..." ou ainda "Não esqueça da sua Tia Biza..."
Certamente, não esquecerei, a minha Tia Biza viverá eternamente em minha memória e sempre será lembrada com muito carinho.

Mariozinho.